HANGOUT: Espécies Exóticas Invasoras: ameaça silenciosa

Printer-friendly version
ISA - Instituto Socioambiental

Atualmente ha muitos riscos para a manutençao da biodiversidade mundial. De forma resumida, as principais causas
diretas da perda de biodiversidade são: a conversão de hábitats naturais em atividades humanas, como o avanço da fronteira agrícola; as mudanças climáticas e as espécies exóticas invasoras.

No Brasil, já foram registradas mais de 380 espécies exóticas invasoras e mais de 11.000 ocorrências de invasão, de acordo com o banco de dados nacional de espécies exóticas invasoras (http://i3n.institutohorus.org.br). Considerando
apenas as espécies terrestres registradas nesse banco de dados, cerca de 70% foram introduzidas intencionalmente, quase sempre por motivação econômica. As principais causas dessas introduções são o uso ornamental e a criação de animais de estimação, que juntos representam cerca de 40% das introduções intencionais.

Assista abaixo o video no qual a bióloga especialista Michele de Sa Dechoum, colaboradora do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental foi apresenta esse tema com riqueza de detalhes.

O Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental foi fundado em 2002 para suprir uma lacuna existente no Brasil no tema invasões biológicas. Os principais trabalhos realizados são a criação e manutenção da base de dados nacional de espécies exóticas invasoras, integrada à IABIN, um website dedicado a invasões biológicas, e processos de capacitação técnico-científica em 15 países da América do Sul. No Brasil, o Instituto tem atuado no apoio técnico aos governos federal e estaduais em estratégias e políticas públicas sobre o tema e em atividades de pesquisa e manejo de espécies exóticas invasoras.

Download da publicação