ISA cria grupo para apoiar iniciativas socioambientais em 20 escolas das cabeceiras do Xingu (MT)

Esta notícia está associada ao Programa: 
Printer-friendly version

Depois de dois anos de interrupção, o ISA retoma a parceria com professores e diretores de escolas de cinco municípios das cabeceiras do Rio Xingu em apoio a iniciativas socioambientais desenvolvidas por eles e cria o Grupo de Referência em Educação

Em 8 de agosto, professores e diretores de mais de 20 escolas dos municípios mato-grossenses de Canarana, Água Boa, Ribeirão Cascalheira, Querência e Gaúcha do Norte, se reuniram na Câmara Municipal de Canarana para a formação do Grupo Referência em Educação.

Por meio da Campanha Y Ikatu Xingu, o ISA vinha apoiando vários projetos desenvolvidos por educadores na área socioambiental, mas nos últimos dois anos algumas iniciativas foram paralisadas porque houve uma interrupção na parceria. Os professores convidados a integrar o grupo, são aqueles que já desenvolveram ou ainda desenvolvem atividades socioambientais.

As experiências realizadas no passado pelos educadores deram excelentes resultados em termos de conscientização e conservação ambiental. Entretando, em visita a escolas realizadas há um ano, constatou-se que poucos projetos tiveram continuidade. “A partir de então surgiu a ideia de criarmos o grupo”, explica Cleu Peixoto, do ISA, e uma das coordenadoras do grupo.. Além dela, coordenam os trabalhos Junior Micolino e Cristina Velásquez, com apoio do consultor Osvaldo de Souza, todos do ISA. O objetivo do projeto é resgatar essas iniciativas socioambientais que eram desenvolvidas nas escolas e divulgar esses trabalhos.

Durante o evento, os professores trocaram experiências sobre os projetos que foram ou que estão sendo realizados na área socioambiental, para servir de orientação aos futuros projetos. Foram citados pelos participantes a plantação de agroflorestas, a criação de brinquedos usando sucata, a reciclagem de lixo, a implantação de viveiros de mudas, entre outros. “A ideia central é que esse grupo de educadores reflita sobre suas experiências, aprofundando os fundamentos de suas ações com base na experiência de suas próprias iniciativas”, explica Cristina Velásquez, do ISA.

Uma das iniciativas de projetos passados que se tornou modelo foi a implantação de áreas agroflorestais. A partir delas, foi possível debater temas interdisciplinares, como a ideia de sustentabilidade, de consumo, de economia e a revisão das metodologias pedagógicas próprias usadas nas escolas. A mini-agrofloresta na Escola Municipal Nova Era, em Canarana, é um bom exemplo. O técnico do ISA, Junior Micolino, explicou que o trabalho na escola começou em 2009. “É uma das escolas da cidade que abraçou a causa de ter um pequeno espaço verde, uma diversidade grande de espécies (15) em um espaço reduzido. E os alunos acompanharam toda a implantação. Então, quando a gente ia fazer trabalho, eles vinham nos pedir: tio, não corta, deixa a árvore aí. Daí explicávamos que tinha de cortar alguns galhos para a árvore crescer”.
A Nova Era foi uma das escolas que cuidou do espaço mesmo no período que ficou sem o apoio de algum parceiro e fez desta experiência um campo de possibilidades pedagógicas para todas as séries do ensino fundamental.

O apoio do ISA ao grupo se dará promovendo o debate sobre metodologias, percepção de conceitos e ideias sobre o tema socioambiental, especialmente a relação entre cultura e ambiente. Também haverá incentivo às boas iniciativas que já ocorrem na prática, mas que necessitam de complementações e ajuda técnica para que o processo educativo se complete. Os professores que participaram do encontro, terão até o final de agosto para apresentar projetos que serão avaliados. Em 2 e 3 de outubro haverá um novo encontro do grupo, desta vez em uma escola em Canarana, com temática central voltada a alternativas pedagógicas para trabalhar temas socioambientais.. Os participantes trarão suas criações e ideias sobre o tema Jogos educativos em sala de aula.

Rafael Govari
ISA
Edição: 
Inês Zanchetta
Imagens: