Guarani Kaiowá de Apyka'i (MS) são despejados pela Polícia Federal

Esta notícia está associada ao Programa: 
Ação de reintegração de posse foi iniciada pelos policiais sem comunicar a Fundação Nacional do Índio (Funai). Após despejo, indígenas decidiram montar acampamento às margens da BR-463, em frente a seu território tradicional
Printer-friendly version

Texto atualizado às 18h15, em 6/7

Na madrugada de hoje (6/7), a Polícia Federal despejou a comunidade indígena de Apyka'i, um dos territórios povo Guarani Kaiowá na região de Dourados, Mato Grosso do Sul. Ação foi iniciada por volta das 6h por um efetivo de quase 100 policiais.

Durante a ação, as cerca de nove famílias do tekoha Apyka’i tiveram seus pertences retirados e seus barracos destruídos por uma pá-carregadeira; o primeiro deles foi o de Damiana Cavanha, a mulher que lidera a comunidade. Após o despejo, os indígenas pediram que os pertences fossem deixados do outro lado da BR-463, em frente ao Apyka’i – onde agora a comunidade monta novo acampamento.



A Fundação Nacional do Índio (Funai) informa que só foi comunicada pela PF sobre a execução da ação de reintegração de posse quando os agentes policiais já estavam na área. O despejo foi determinado pela 1a. Vara da Justiça Federal de Dourados em junho deste ano, em favor do proprietário da Fazenda Serrana, que está sobreposta ao território e é arrendada para plantio de cana para a Usina São Fernando, de José Carlos Bumlai.



A comunidade de Apyka'i já viu nove pessoas falecerem no local, quase todas vítimas de atropelamentos. O acampamento existe desde 1999 e as seguidas ameaças de despejo ensejaram diversas campanhas de solidariedade ao Apyka'i, como a campanha "Deixe o Apyka'i viver". Assista ao vídeo feito pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi) sobre o Apyka'i.

O despejo aconteceu dez dias depois da Funai criar um Grupo de Trabalho para realizar os estudos de identificação da Terra Indígena Apyka'i e foi realizado mesmo havendo um pedido do órgão indigenista de suspensão de liminar no Supremo Tribunal Federal (STF), que aguardava julgamento.

Saiba mais

Apyka'i: polícia despeja indígenas Guarani Kaiowa de terra explorada por Bumlai, preso na Lava Jato

Tatiane Klein
ISA
Imagens: