Brasil deve apresentar INDCs domingo

Versão para impressão
Victor Pires

Falta de padronização de INDCs pode gerar dificuldades. Os países da União Europeia juntos, por exemplo, visam reduzir as emissões em 40% até 2030. A base de comparação é 1990, de acordo com as regras da Convenção do Clima. Já os Estados Unidos tomaram 2005 como ano de referência. Sobre isso, o Observatório do Clima em texto sobre as metas para a Conferência de Paris afirma que foi uma “mudança feita deliberadamente para reduzir o tamanho do esforço de mitigação”. Já outros países também usaram anos posteriores a 1990 como referência. O Japão, por exemplo, está utilizando 2013. O Brasil ainda não apresentou suas metas. A grande imprensa dá conta de que a presidente Dilma fará isso em discurso na ONU, em Nova York, neste domingo, 27, e que as INDCs serão ambiciosas. A conferir!

Algumas INDCs são muito mais ambiciosas do que outras! Etiópia e Gabão, por exemplo, se propuseram a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa em 64% e 50%, respectivamente. As Ilhas Comores foram ainda mais longe: se dispõem a diminuir as emissões em 84%. Os países em desenvolvimento listados contribuíram menos para o aquecimento global do que os desenvolvidos e, ao mesmo tempo, se comprometeram a reduzir mais suas emissões até 2030, em níveis relativos. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o pesquisador do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável do Amazonas (Idesam), Pedro Soares, disse que as nações podem se beneficiar desta ambição: “Imaginamos que é porque eles estão esperando atrair com essa meta investimentos para gerar um desenvolvimento mais sustentável. Parece uma boa estratégia”, afirma.

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.