As raposas cuidam do galinheiro

Versão para impressão

Militarizado, ICMBio passa por desestruturação e florestas passam para as mãos do Ministério da Agricultura; veja essa e outras notícias da semana no Fique Sabendo

Bomba da semana

Bomba! Enquanto o desmatamento na Amazônia cresce a galope, o Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidades (ICMBio), responsável pela gestão das Unidades de Conservação federais (UCs) em todo o país, passa por desestruturação. No órgão, vinculado ao Ministério do Meio Ambiente (MMA), 11 Coordenações Regionais foram substituídas por cinco gerências. Num momento crucial o ICMBio perde na capacidade de ação em campo. É um enfraquecimento considerável da instituição, responsável pela gestão de mais de 10% do território nacional. Desde o início do ano, militares estão sendo colocados em cargos estratégicos do órgão. Se quiser entender mais, assista à live.

Não fosse suficiente, o Ministério do Meio Ambiente perdeu a gestão de florestas públicas que podem ser concedidas para o Ministério da Agricultura. O decreto aqui. É entregar o galinheiro na mão das raposas.

E você com isso?

Cientistas têm alertado que uma próxima pandemia como a de Covid-19 pode ter origem na Amazônia brasileira, em decorrência do desmatamento. A perda da biodiversidade e a destruição de habitats naturais são uma bomba relógio para o surgimento de novos vírus para os quais a espécie humana não tem imunidade, como o coronavírus.

As Unidades de Conservação (UCs) são áreas destinadas à proteção da biodiversidade.Em um mundo onde a regra tem sido a destruição, as áreas protegidas, como as unidades de conservação e territórios indígenas e quilombolas, são indispensáveis para conservar parte da natureza, assegurando condições para a nossa própria vida e saúde.

Para não dizer que não falei das flores

A Cooperativa dos Agricultores Quilombolas do Vale do Ribeira (Cooperquivale) organizou a produção e entrega emergencial de 503 cestas de produtos da pesca caiçara e da roça dos quilombos para ajudar a suprir, durante a pandemia da Covid-19, as necessidades básicas dos moradores de Eldorado (SP), de aldeias Guarani e quilombos, e de organizações como a Bloco do Beco, no Jardim Ibirapuera, na zona sul da capital paulista.

São, ao todo, 27 variedades de alimentos, de abacate a peixe salgado, para um volume total de cerca de 16 toneladas. Também estão incluídos nas cestas produtos de higiene como barras de sabão e água sanitária. A iniciativa foi realizada com apoio de Instituto Linha D'Água, Comunidade Caiçara da Enseada da Baleia, Instituto Socioambiental, Good Energies e União Europeia.



Última hora

Confirmado o primeiro caso de coronavírus na Reserva Indígena Dourados, território de maior concentração indígena de MS, com aproximadamente 17,3 mil indígenas dos povos Guarani Kaiowá, Guarani Ñandeva e Terena. A paciente, com 35 anos, está em isolamento domiciliar. A doença também foi confirmada em mais dois indígenas do Estado.

Letra de sangue

Apenas nesta semana, foram liberados mais 22 agrotóxicos. 10 deles foram classificados como Produto Muito Perigoso ao Meio Ambiente (Classe II), oito como Produto Perigoso ao Meio Ambiente (Classe III) e quatro como Produto Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (Classe IV). Veja aqui.

Túnel do tempo

Em 1996, nascia a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) durante o I Encontro Nacional de Comunidades Negras Rurais Quilombolas, realizado em Bom Jesus da Lapa, BA. São 24 anos fazendo valer a batalha de séculos de negras e negros por liberdade e justiça, trilhando o caminho de lutas para que quilombolas em todo o país vivam em paz e com dignidade. Relembre.

Isso vale um mapa

O Instituto Socioambiental (ISA) em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais fez um estudo de vulnerabilidade das Terras Indígenas à pandemia da Covid-19. Os resultados mostraram que as condições de acesso às TIs e o contexto socioeconômico podem ter pesos decisivos na maior exposição da doença, funcionando como um motor para a expansão do novo coronavírus. Outro fator importante é a existência de transmissão comunitária sustentada da doença perto dos territórios. Veja mais aqui.

Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.