Exposição sobre povos indígenas no século XIX chega ao Museu Índia Vanuíre (SP)

Versão para impressão

Na próxima terça, dia 1º de março, começa um novo período de visitação da mostra “O olhar de Hercule Florence sobre os índios brasileiros”, que reconstrói a trajetória de alguns povos indígenas no Brasil a partir dos registros de um artista e cientista que participou da Expedição Langsdorff, entre 1825 e 1829.

A exposição, que estreou em 2015 na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da USP, em São Paulo capital, agora chega ao Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre, na cidade de Tupã (SP), conectando manuscritos e gravuras sobre povos como os Apiaká, Kayapó e Munduruku com sua a situação atual, graças a parceria com o ISA.

“A gente queria mostrar um pouco dessa dinâmica, do que pode acontecer com as populações indígenas. Alguns grupos que estavam escravizados na época [século XIX], como os Kayapó, conseguiram se reerguer. Os Apiaká, que estavam tão gloriosos, foram considerados extintos e depois redescobertos”, explica uma das curadoras da mostra, Francis Melvin Lee.

A ideia, segundo Francis, é revelar uma parcela pouco divulgada da obra de Florence, retratista da fauna e da flora e um dos inventores da fotografia, e um acervo documental muito valorizado pelos historiadores sobre o século XIX: “Ele [Florence] não tinha interesse em embelezar a realidade; foi um dos poucos artistas que retratou os índios de fato como eles eram”, explica.

Além de informações da Enciclopédia Povos Indígenas no Brasil, fotografias e mapas do Programa de Monitoramento do ISA, a exposição conta com artefatos do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP (MAE-USP) e com o apoio do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria da Cultura. A realização é do Instituto Hercule Florence (IHF).

Serviço

Quando | 1º de março a 8 de maio de 2016
De terça a domingo, das 9h às 17h (inclusive em feriados)
Entrada gratuita

Onde | Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre
Rua Coroados, 521 – Centro – CEP 17600-010
Tupã (SP)

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.