Pimenta Baniwa em crescente produção

Versão para impressão

As Casas da Pimenta Baniwa, na Terra Indígena Alto Rio Negro (AM), são espaços de produção, envaze e armazenamento da tradicional Jiquitaia, uma “farinha” de pimentas com uma pitada de sal. A Jiquitaia Baniwa é um mistura que carrega uma enorme variedade de pimentas, presentes nas tradicionais roças das mulheres baniwa.

A rede das Casas da Pimenta foi idealizada pela Organização Indígena da Bacia do Içana (Oibi), com o apoio do ISA, entre outras instituições como o Instituto Ata. Este projeto conta também com o apoio de importantes nomes da gastronomia brasileira como Alex Atala, Bela Gil, Mara Salles, Marcelo Correa Bastos e Felipe Schaedler.

Em 2014, a produção alcançou mais de 4,2 mil potinhos de 35 ml de pimenta. Dessas, foram comercializadas 3,6 mil unidades por uma rede de 30 postos de venda espalhados nas capitais brasileiras. Em 2015 foi inaugurada a terceira e a quarta Casa da Pimenta Baniwa. A previsão é que produção dobre este ano!

Saiba aonde encontrar a Pimenta Baniwa > http://www.artebaniwa.org.br/pimenta-baniwa/

Veja como foi a inauguração da mais recente Casa da Pimenta > http://isa.to/1EO31r6

Agrobiodiversidade: gente que planta futuro

No último dia 5 de junho celebramos o Dia Internacional do Meio Ambiente. Para comemorar, o ISA preparou um mês inteiro de conteúdos especiais sobre um tema importantíssimo para o futuro do planeta e dos povos: a agrobiodiversidade. O papel dos povos indígenas e populações tradicionais na manutenção da diversidade de espécies cultivadas é a garantia, não só de seu sustento, mas do direito de todos nós a um meio ambiente equilibrado.

Acompanhe a página do ISA no Facebook, no Instagram e o nosso conteúdo especial sobre Agrobiodiversidade.

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.