Por que não minerar em Terras Indígenas?

Versão para impressão

A mineração é uma atividade altamente impactante, podendo contaminar os cursos dágua, o solo e a fauna e flora locais. Além disso, historicamente, expõe os povos indígenas diretamente afetados a situações de violência. Por isso, mesmo atualmente não sendo permitida em Terras Indígenas, a exploração minerária é uma ameaça constante a esses territórios - e aos povos que neles vivem.

No Congresso Nacional, parlamentares ligados a mineradoras trabalham pela aprovação de um projeto de lei para regulamentar a exploração minerária em TIs: o PL 1610/96, que tramita há 20 anos. O PL tira dos indígenas direito de dar a palavra final sobre a entrada de empresas mineradoras em suas terras, muitas das quais hoje estão cercadas por empreendimentos de extração minerária ou são alvo de invasões garimpeiras, sofrendo assédio constante.

Atualmente, 177 Terras Indígenas no Brasil têm incidência de mais de 4 mil processos minerários; no total, são 44 mil processos minerários na Amazônia Brasileira. Confira o infográfico e descubra o que pode acontecer caso a mineração em Terras Indígenas seja aprovada.

Reveja o primeiro infográfico da série: UCs e TIs na Amazônia são afetadas por mais de 17,5 mil processos de mineração

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.