Foirn encerra sua XV Assembleia Geral Eletiva e elege nova diretoria para 2017-2020

Versão para impressão

Em sua tradicional maloca Casa do Saber, a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn) reuniu cerca de 200 participantes entre 21 e 24 de novembro. Entre os temas discutidos estavam gestão territorial e ambiental, geração de renda, saúde e educação indígena, fortalecimento institucional e controle social.



A Foirn conta com 93 associações indígenas filiadas e desde 2003 se organizou por meio de cinco coordenadorias regionais divididas pelas calhas e afluentes dos principais rios da região: Içana; Uaupés; Tiquié; Baixo e Médio Rio Negro e; Alto Rio Negro. De acordo com seu estatuto são designados 100 delegados responsáveis por avaliar o mandato passado (2013-16), planejar novas ações e votar para o cargo de presidente da diretoria executiva. Esses delegados foram escolhidos nas cinco assembleias regionais realizadas no primeiro semestre deste ano. Além da avaliação e planejamento regionais, cada uma destas assembleias elegeu um membro da diretoria, quatro membros das coordenadorias e cinco do conselho diretor da Foirn.



Um dos destaques da assembleia geral foi o balanço desta última gestão da Foirn que realizou trabalhos relacionados: à educação escolar indígena do Rio Negro; ao trabalho de controle social com as instituições governamentais; à elaboração dos Planos de Gestão Territorial e Ambiental; à construção de projetos de turismo; à geração e transferência de renda no Rio Negro; à valorização da cultura através de oficinas de pintura corporal, audiovisual e teatro; e com grandes avanços no fortalecimento institucional da Foirn.

Outra atividade da assembleia foi o planejamento por meio de grupos de trabalho cujo resultado pode ser acessado aqui.

Com ampla participação dos delegados e instituições convidadas, estes temas contaram com palestras seguidas de questionamentos e debates. Além da eleição, marcada para o último dia, uma decisão da assembleia envolveu a indicação de André Fernando Baniwa como gestor do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI-ARN) (veja o documento anexo). Houve ainda o lançamento do vídeo sobre o Sistema Agrícola do Rio Negro, patrimônio cultural brasileiro, e as apresentações de abertura e encerramento com flautas japurutu e carriçu, forró, kuximauara e caxiri.

A diretoria para 2017-2020 ficou assim composta:
• Marivelton Rodrigues Barroso, Baré – Diretor Presidente
• Nildo José Miguel Fontes – Tukano, Diretor Vice Presidente
• Isaias Pereira Fontes – Baniwa, Diretor (1º Suplente)
• Almerinda Ramos de Lima, Tariano, Diretora (2º Suplente – optou não participar da eleição para presidência)
• Adão Francisco, Baré, Diretor (3º Suplente – optou por não participar da eleição para presidência)

Sobre os diretores eleitos


Marivelton Rodrigues Barroso, Baré – Presidente

De Santa Isabel do Rio Negro, Marivelton é o presidente mais jovem da Foirn. No entanto, tem participado ativamente do movimento indígena há dez anos. Sua curiosidade em conhecer os direitos dos povos indígenas e vontade de participar das ações do movimento indígena o levou a atuar na Associação das Comunidades Indígenas do Médio Rio Negro (Acimrn) e a ocupar os cargos de zelador, operador de radiofonia e coordenador do departamento de jovens indígenas. Depois se tornou secretário da Coordenadoria Regional do Médio e Baixo Rio Negro e foi diretor da Foirn entre 2013-16.


Nildo José Miguel Fontes, Tukano – Vice-presidente

Vindo da região conhecida por muitos como local de nascença do movimento indígena do Rio Negro, Nildo participou das muitas mobilizações em Pari-Cachoeira e região. Fez parte de trabalhos para o controle social e melhoria da saúde indígena e foi diretor da Foirn entre 2013-16.


Isaias Pereira Fontes, Baniwa – 1º Suplente

Nascido na região do Rio Ayari, afluente do Rio Içana, Isaias acompanhou o desenvolvimento de projetos emblemáticos do movimento indígena no Içana, liderados principalmente pela Organização Indígena da Bacia do Içana (Oibi). Após a experiência de trabalhar no departamento financeiro da Foirn, Isaias foi eleito diretor entre 2013-16 onde acompanhou principalmente os projetos referentes ao fortalecimento institucional.

Almerinda Ramos de Lima, Tariana – 2º Suplente
A primeira mulher presidente da Foirn, eleita em 2013 (https://site-antigo.socioambiental.org/noticias/nsa/detalhe?id=3704), Almerinda nasceu na comunidade de Nova Esperança no Médio Uaupés e estudou no distrito de Iauaretê a partir do ano de fundação da Foirn, em 1987. Desde então, acompanha as lutas do movimento indígena cujo pai, Armando de Lima, é importante liderança. Participou por mais de 15 anos na Associação das Mulheres Indígena de Iauaretê (Amidi) antes de ser eleita presidente da Foirn.

Adão Francisco, Baré – 3º Suplente
Com uma trajetória de trabalho no controle social do DSEI- ARN relacionada ao diálogo com o movimento indígena e os agentes indígenas de saúde, Adão está em seu primeiro mandato como diretor da Foirn. Foi eleito como representante do Alto Rio Negro e Xié em assembleia realizada na comunidade de Juruti.

Arquivo: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.