Grupo encontra acampamento abandonado e vestígios de passagem de pessoas

Programa: 
Versão para impressão
Moreno Saraiva Martins e Estevão Benfica Senra


21 de setembro de 2013 - terceiro dia

Moreno: “Placar do dia: um mutum, um jacu e um cujubim caçados ao lado do acampamento, logo cedo, acordando os últimos preguiçosos. Desmontamos demoradamente o acampamento, e somente às 8h seguimos viagem".

Estevão:”Ontem verificamos com ajuda dos mapas que a suspeita de que estávamos no caminho errado estava correta. Acontece que o limite da TI em determinado ponto deixa de ser o Ingarana e passa a ser um de seus tributários, um igarapé estreito de vegetação densa. Decidimos então continuar a viagem margeando o igarapezinho à pé, deixando parte de nossa bagagem e o barco escondidos na beira do Ingarana. Andamos neste dia o equivalente a 5 km em linha reta, e a caminhada não foi nada fácil. Grande parte do percurso era de alagadiços e cipoais terrivelmente cerrados”.

Moreno: “Durante a caminhada encontramos um acampamento abandonado, que pelas características devia ser de garimpeiros. Com certeza estava abandonado há mais de um ano, e provavelmente passaram pouco tempo lá, pois não encontramos mais vestígios nas imediações do acampamento. Os Yanomami identificaram ainda mais alguns poucos vestígios de passagem de pessoas. Esses vestígios eram galhos cortados. Ficamos todos na dúvida se eram vestígios deixados por garimpeiros ou pelos índios isolados”.

Estevão: “Acampamos por volta das quatro da tarde a alguns metros da linha seca. Optamos pelo local devido a um pequeno córrego que, apesar da lama, nos permitiu um bom banho de cuia”.

Moreno:”No jantar o cardápio foi composto pelas três maiores aves amazônicas caçadas antes. Duas cozidas e uma assada, com acompanhamento de farinha e beiju feito pelos Ye’kuana. Felizmente, sem calabresa”.

A série de expedições ao limite leste da TI Yanomami, iniciada em outubro do ano passado, e integrada pela Funai (Fundação Nacional do Índio), HAY (Hutukara Associação Yanomami), e ISA e agora pela Polícia Ambiental e pelo Bope tem o apoio da Fundação Rainforest da Noruega.

Para saber mais

Próximo relato (22 de setembro de 2013) > Bosques, árvores gigantescas, nascentes e igarapés tornam a caminhada menos dura

Relato anterior (20 de setembro de 2013) > Navegação difícil, marimbondos e formigas marcam o segundo dia de expedição

Linha do tempo da viagem com galeria de fotos e outras informações > http://isa.to/1ag7MYF

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.