Tradição mineira com a potência do conhecimento Yanomami

Programa: 
Versão para impressão
Roberto Almeida


"O Cogumelo Yanomami em pó tem um aroma muito particular. É fungo, então deve funcionar bem no queijo."

A intuição de Tiago Pascoal, engenheiro mineiro que, depois de tempos desempregado, virou queijeiro em Florianópolis, rendeu uma medalha inesperada.

O queijo Sanöma, assim chamado de última hora em homenagem ao subgrupo Yanomami que produz o cogumelo, ganhou medalha de prata na categoria Maturadores do IV Prêmio Queijo Brasil, a principal premiação de queijos artesanais do país.

Ao todo, 479 queijos artesanais foram avaliados e receberam medalhas Super Ouro, Ouro, Prata e Bronze. A categoria Maturadores é restrita a queijos artesanais tradicionais, artesanais de leite cru ou artesanais de leite pasteurizado maturado por terceiros.

O "queijo Sanöma" foi maturado por Pascoal a partir de uma peça de leite cru de Wellington Carlos Vieira, o Casquinha, da Queijaria Cruzeiro em Cruzeiro da Fortaleza (MG). "O queijo chega para mim fresco, com apenas 7 dias. Enfaixei-o coberto com o Cogumelo Yanomami, borrifei salmoura e o mantive na câmara fria", disse o queijeiro.

Cogumelo Yanomami é Origens Brasil®

O Cogumelo Yanomami é parte da iniciativa Origens Brasil, criada para produtos oriundos de Terras Indígenas e Unidades de Conservação do Brasil que respeitam e promovem a sociobiodiversidade.

O selo Origens Brasil conecta o consumidor dos grandes centros urbanos com a cultura e história por detrás dos produtos. As empresas parceiras, por meio do Origens Brasil, tem acesso a uma plataforma para gestão de risco da sua cadeia, com origem, rastreabilidade e conhecer os impactos das relações comerciais.

Além disso, as empresas parceiras se beneficia de toda comunicação que a rede Origens Brasil proporciona, por meio de relações comerciais éticas e transparentes. Saiba mais aqui.

O resultado, ele só descobriu no dia do evento, no início de novembro, no Memorial da América Latina, em São Paulo, quando apresentou a peça de queijo, que ainda não tinha provado, aos jurados. O produto final: uma peça com casca esbranquiçada e aroma peculiar.

"O queijo tem uma expressão genuína do que é o Brasil", disse Pascoal. "Você pega um cogumelo do extremo-norte, um queijo do interior de Minas Gerais e faz a maturação no sul do país, em Florianópolis. Você tem Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica", afirmou.

A intenção do queijeiro é produzir mais peças a partir da experiência que deu certo. Um novo lote, que será preparado em breve, deve chegar a 20kg. Acompanhe o trabalho de Tiago aqui.

Veja abaixo a localização da Terra Indígena Yanomami:

O Cogumelo Yanomami, após longa pesquisa intercultural, é comercializado com o objetivo de promover o bem-viver das comunidades. A história da pesquisa está contada no livro vencedor do Prêmio Jabuti em 2017 na categoria gastronomia, Ana amopö: Cogumelos Yanomami.

Os cogumelos são um produto do sistema agrícola Yanomami. Ele é vendido em pó e inteiro, em misturas de 15 espécies de cogumelos nativos da Amazônia.

"Os cogumelos nascem na floresta em determinadas luas (meses), principalmente quando chove. Os Sanöma, depois de derrubarem as árvores para fazer a roça de mandioca, queimam e plantam. Depois de plantar, quando a roça está crescendo, quando chove, os cogumelos crescem", descreve Davi Kopenawa Yanomami no prefácio do livro Ana amopö.



"É esse o nosso conhecimento, assim observamos a natureza", ele continua. "Vocês não indígenas comem boi, peixe, carneiro, frango, folhas. Mas não pensem que nós, povo da floresta, comemos as mesmas coisas que vocês. A terra-floresta é que nos alimenta. A terra floresta é generosa."

A Terra Indígena Yanomami sofre com constantes invasões de garimpeiros. (Saiba mais no especial Amazônia Saqueada). A comercialização do cogumelo é parte de um esforço para garantir o bem viver dos Yanomami, no presente e no futuro. A renda proveniente da comercialização do produto é inteiramente revertida para as comunidades indígenas.

“O projeto valoriza o conhecimento indígena ao mesmo tempo em que gera uma alternativa de acesso a bens necessários para o cotidiano das comunidades, como ferramentas de metal para a produção de suas roças”, afirma Moreno Saraiva Martins, antropólogo do ISA.

Saiba mais no vídeo abaixo:

Para saber mais sobre o Cogumelo Yanomami acesse: https://cogumeloyanomami.org.br/

Para adquirir escreva para cogumeloyanomami@gmail.com ou clique aqui para acessar a loja online do Instituto Socioambiental, que entrega para todo o país.

Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.