Comunidades quilombolas discutem as conquistas e perspectivas para as roças tradicionais

Versão para impressão
Ivy Wiens

No final de 2016, 30 quilombolas estiveram reunidos durante dois dias em Eldorado, no Vale do Ribeira, com técnicos do ISA e da Associação Biodinâmica, para conversarem sobre assuntos relacionados à agricultura. Metade eram jovens, entre catorze e vinte e nove anos, que contribuíram com as discussões e mostraram que, se depender deles, a agricultura quilombola continuará prosperando.



O encontro começou com a apresentação do acompanhamento voluntário feito por Elodie Belbeoc'h, agrônoma francesa, junto à Cooperativa dos Agricultores Quilombolas do Vale do Ribeira. A Cooperquivale, que reúne cerca de 240 produtores de dezesseis comunidades, comercializa mais de 80 variedades agrícolas por meio de mercados institucionais, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), para os municípios de Cabreúva, Eldorado, Embu, Iporanga, Jandira, Santo André e São Paulo. O alimento, antes produzido para subsistência, agora chega às mesas de famílias carentes de diversos municípios, possibilitando o acesso a uma comida saudável e livre de veneno.



A pesquisa feita por Elodie acompanhou as colheitas e expedições dos produtos, seu recebimento nos bancos de alimentos dos municípios e as entregas às famílias. A partir das informações levantadas, foi produzida uma cartilha sobre boas práticas de produção agrícola, que será distribuída aos cooperados em 2017, buscando melhorar esses processos.

Produtos de qualidade

Vanessa de França, do Quilombo São Pedro e membro da coordenação da cooperativa, disse que já foi parada na rua, em Eldorado, para receber elogios sobre a qualidade dos produtos entregues às famílias no município. “Dá mais vontade de continuar e de fazer a cooperativa ajudar mais pessoas, tanto de fora quanto das próprias comunidades. Que bom seria mais pessoas fazerem parte disso”, disse Vanessa, ao ver os resultados da pesquisa.



Vandir da Silva, do Quilombo Ivaporunduva, parabenizou a cooperativa por seu trabalho. A associação da qual faz parte acessa esses mercados há muitos anos, por isso conhece bem as dificuldades em se cumprir toda a burocracia que esses projetos envolvem, e a dificuldade na conjuntura política atual em se conseguir novos projetos. “Quando se fala de projetos com governo, tem que se valorizar muito o trabalho da coordenação [da cooperativa], pois não é fácil negociar projetos no cenário político em que estamos”, disse Vandir. “Será cada vez mais difícil conseguir essas vendas dos mercados institucionais”, alertou, referindo-se à redução que se verifica nos mercados institucionais ano a ano.

Em parceria com o ISA, outras possibilidades de comercialização começam a ser identificadas, como o Mercado de Pinheiros, em São Paulo, que recebe as bananas chips produzidas no Quilombo Nhunguara. Também está em discussão a criação de uma marca para os produtos de origem quilombola, que os diferencie ao chegar aos mercados. Os próximos passos incluem planejar a comercialização de produtos beneficiados, como a rapadura, taiada, arroz e mel, além de buscar a certificação orgânica participativa.

Atualização sobre projetos e perspectivas para 2017

O encontro foi um momento para atualizar informações sobre projetos desenvolvidos em conjunto entre as associações e o ISA. Um deles está relacionado ao Sistema Agrícola Tradicional Quilombola do Vale do Ribeira, em processo de reconhecimento como patrimônio cultural brasileiro. Um dossiê será encaminhado no primeiro semestre de 2017 ao Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para dar sequência ao reconhecimento, e, durante a reunião, foi possível discutir complementações ao documento.



Foram relembradas histórias dos antigos, mostrando o respeito ao alimento e à natureza. Edvina Tiê da Silva, do Quilombo Pedro Cubas de Cima, contou que o feijão era debulhado, e não batido como hoje, para não deixar a semente triste e machucada. “Se dava o feijão para as crianças brincarem, para que debulhassem a semente”, conta ela. Uma outra tradição era destinar parte da roça para que os pássaros e outros animais se alimentassem. “Meu pai sempre deixava um celamim (medida de terra usada pelos quilombolas, equivalente a 0,08 hectares) para o 'dízimo', para a natureza”, lembrou Vandir da Silva, do Quilombo Ivaporunduva.

O conhecimento tradicional também se evidencia em técnicas de manejo por observação. “A imbira e o taquaruçu tinham que ser tirados se a árvore tivesse os três galhos soltos”, contou Orides de França, do Quilombo São Pedro. E acrescentou que isso era pensado para garantir a existência dessas plantas no futuro.

Paiol de sementes testa variedades

O paiol de sementes, iniciativa das associações quilombolas, cooperativa e ISA, com apoio da Associação Biodinâmica, foi outro tema discutido no encontro. Após sua criação, em 2015, foram feitos alguns testes de plantio e colheita ao longo de 2016, para levantamento sobre as variedades de milho, arroz, feijão e mandioca obtidos na feira de troca de sementes.

Os exemplares coletados ficam armazenados em geladeira na cooperativa, mas, no caso das ramas de mandioca, seu armazenamento deve ser feito in situ. O Quilombo Morro Seco foi o local para o teste com a mandioca, com dezesseis variedades plantadas. Um ano depois, a colheita rendeu catorze variedades, que foram cozidas em condições iguais para que fossem avaliados critérios como sabor, textura e cozimento. Um grande almoço comunitário foi o momento escolhido para que todos provassem e avaliassem as diferentes mandiocas. Em 2017, outras ações relacionadas ao paiol de sementes serão realizadas, como novos testes e a discussão de normas para a utilização dessas variedades disponíveis.



Outra perspectiva para o ano que se inicia é a certificação orgânica de produtos das roças tradicionais, ação que será desenvolvida em parceria com a Cooperquivale. Vandir da Silva ressaltou a importância da certificação para o acesso aos mercados, que crescem cada vez mais. “Ivaporuduva comercializa banana orgânica há muito tempo e adquiriu experiência com a certificação, é importante que a cooperativa siga também esse caminho”.

Entre ameaças e oportunidades, as comunidades quilombolas do Vale do Ribeira seguem em frente, espalhando suas sementes, fornecendo alimentos saudáveis e defendendo seus territórios por mais um ano.

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.