Com gestão comunitária, verba de Belo Monte mudou a vida de comunidades ribeirinhas

Versão para impressão

Comunidades extrativistas fazem publicação sobre experiência pioneira de gestão de recursos públicos para desenvolvimento sustentável na Terra do Meio (PA)

Por trás do nome difícil, o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu (PDRSX) carrega uma experiência pioneira de participação e gestão coletiva de recursos públicos. Uma experiência que mudou a vida de dezenas de comunidades ribeirinhas da Terra no Meio (PA), com melhorias em escolas, postos de saúde, transporte e desenvolvimento econômico. Essa história foi contada na publicação “Os Povos Tradicionais da Terra do Meio e o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu (PDRSX) caminhos para o desenvolvimento sustentável” , lançada no último 5/8
de forma online (assista aqui).

O evento contou com a participação do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), Associação do Consórcio de Municípios da Transamazônica (ACBM), a gestora do PDRSX - Equilíbrio, além da Amoreri (Associação dos Moradores da Reserva Extrativista do Rio Iriri) e do assessor técnico desta e de outras três associações ribeirinhas, Francinaldo Lima.

Desde 2011, o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu (PDRSX) executou os recursos atrelados ao leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte. Pelas regras do leilão, a empresa vencedora Norte Energia foi obrigada a aportar R$ 500 milhões em projetos de desenvolvimento sustentável para a região. Assim nasceu o PDRX, que beneficiou 12 municípios da região do médio Xingu, no Pará.

A novidade foi que todo o processo para pensar e realizar a execução dessa verba por meio de projetos foi feito com participação das comunidades ribeirinhas da região da Terra do Meio, uma experiência que permitiu que o dinheiro alcançasse demandas que partiram do chão, da realidade concreta dessas populações.

“Poder participar do PDRSX teve um impacto muito positivo e mudou nossa realidade", afirmou Francisco de Assis Porto de Oliveira, presidente da Amoreri. Dentre os destaques dos projetos estão a viabilização da construção de estruturas de saúde e educação como os postos de saúde nas comunidades pólos.

Um outro exemplo prático de bom uso desses recursos foi a implantação de duas mini-usinas para as comunidades ribeirinhas. Essas comunidades são extrativistas - vivem da venda de produtos que coletam de forma sustentável da floresta. As mini-usinas produzem produtos semi-processados, com muito mais valor agregado e um valor maior de venda. Elas transformam, por exemplo, o babaçu em farinha de babaçu, e também no óleo de babaçu e a castanha do Pará em castanha desidratada e óleo de castanha. Isso permite um retorno muito melhor para essas comunidades. Alguns desses produtos, como a farinha de babaçu, por exemplo, estão sendo usados na merenda escolar de municípios da região.

Retorno do PDRSX

Após dois anos de paralisação, recentemente, o Governo Federal editou um novo decreto do PDRSX (ver aqui) que instituiu o novo Comitê Gestor no âmbito do Ministério do Desenvolvimento Regional. Isso iniciará uma nova fase do programa, com novos participantes e há a expectativa de que os extrativistas continuem tendo representatividade nesse novo Comitê. Conforme afirmou Elisangela Trzeciak, Coordenadora Geral do PDRSX/Equilíbrio: “O PDRSX impacta nas populações tradicionais. No decreto atual, é determinado que as populações tenham uma cadeira no novo modelo de governança e isso é um local adquirido, isso está garantido para que eles tenham representantes dentro do PDRSX. Isso está assegurado no novo decreto e na nova governança”.

Francisco de Assis Porto de Oliveira, presidente da Amoreri, Associação dos Moradores da Reserva Extrativista Rio Iriri, destacou a importância da sociedade civil e ribeirinha em participar da nova etapa do PDRSX. “Depois que iniciou o PDRSX, as populações (tradicionais) mesmo conseguiram participar das reuniões nas Câmaras Técnicas, escrever projeto, elaborar, executar e prestar conta. A gente aprendeu a fazer esse tipo de trabalho que as instituições parceiras faziam antes”, afirmou ele.

Os relatos da publicação demonstraram todo esse aprendizado e a representante Simone Noronha Martins, do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR) reforçou que: “É muito gratificante ver que o recurso público está sendo bem empregado e de maneira participativa com as comunidades tradicionais ribeirinhas. O PDRSX é uma política que transforma vidas e isso é emocionante".

A publicação lançada na última quinta-feira é um marco na transparência de projetos pois publiciza a prestação de contas dos gastos, investimentos e projetos executados pelas associações ao longo dos últimos oito anos. Também reforça a necessidade e a importância de que as entidades que representam as populações tradicionais da Terra do Meio continuem tendo participação no novo comitê gestor do PDRSX.

Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.