Ajude a Escola Indígena Pamáali, no Alto Rio Negro, voltar a funcionar!

Esta notícia está associada ao Programa: 
Há quase dois anos fechado, o campus modelo da escola dos povos Baniwa e Coripaco, no Alto Rio Negro (AM), precisa de recursos para ser reaberto. Você pode ajudar.
Versão para impressão

Considerada modelo de inovação na educação escolar indígena no Brasil, a Escola Baniwa e Coripaco Pamáali, na Terra Indígena Alto Rio Negro, em São Gabriel da Cachoeira (AM), precisa de ajuda. Com a infraestrutura deteriorada após 16 anos de funcionamento no meio da floresta amazônica - mais exatamente no Rio Içana, um afluente do Alto Rio Negro -, a escola fechou seu campus no fim de 2016. Sem verba para custear obras e com recursos insuficientes para merenda e transporte, 107 jovens indígenas ficaram sem aulas no local.

Diante da gravidade do quadro, a Associação Conselho da Escola Pamáali (Acep), órgão gestor da escola, a Organização Indígena da Bacia do Içana (Oibi), com apoio do Instituto Socioambiental (ISA), lançam campanha pública para angariar os recursos necessários para que a escola volte a funcionar em 2018. Assista ao vídeo abaixo:

“Muitos alunos não quiseram ser deslocados para outras escolas porque não existe na região um ensino como o da Pamáali. Os repasses do poder público são insuficientes e a reforma prevista pelo Ministério da Educação (MEC) não atende a todas as necessidades estruturais da escola. Por isso, estamos pedindo a ajuda das pessoas para reabrir a Pamáali”, ressalta André Baniwa, uma liderança das principais lideranças Baniwa e integrante da Oibi.

Ensino intercultural

Fundada no ano 2000, a Pamáali sempre foi um exemplo de educação e pesquisa intercultural, sendo reconhecida pelo MEC como instituição de referência em inovação e criatividade na educação básica no Brasil. A metodologia de ensino via pesquisa parte do conhecimento tradicional e dialoga com os conhecimentos acadêmicos e científicos “dos brancos”. As histórias de origem da humanidade a partir da visão dos povos Baniwa e Coripaco, a medicina indígena e o manejo de recursos estão entre os principais temas estudados.

A Pamáali atende alunos dos ensinos fundamental e médio de toda a região do rio Içana. Os Baniwa e Coripaco, povos falantes de língua Aruaque, vivem nas fronteiras do Brasil, Colômbia e Venezuela. No lado brasileiro, são a maior etnia habitando as terras indígenas do Alto e Médio rio Negro, com uma população de aproximadamente 6 mil pessoas. Saiba mais sobre os Baniwa e os Coripaco.

A reforma para reabertura do campus da Pamáali necessita de R$ 100 mil para ser concluída. Esse valor será somado aos esforços que os Baniwa e Coripaco vem fazendo localmente com mutirões e arrecadações para verem sua escola-modelo funcionar novamente.

Contribua com os povos Baniwa e Coripaco! Doações podem ser feitas através de depósito na conta abaixo:

Banco do Brasil
Agência: 1136-3
Conta Corrente: 18.400-4
Associação Conselho da Escola Pamáali - ACEP
CNPJ: 04.911.496/0001-06

Contato de referência: João Florentino da Silva (Diretor-presidente da ACEP)
E-mail: pamaali.eibc@gmail.com

A ACEP pede aos apoiadores que notifiquem a doação para o e-mail acima de modo a garantir o registro dos nomes dos "padrinhos" e "madrinhas" da escola. Quem quiser permanecer anônimo, contudo, não precisa se identificar.

Sua contribuição pode ajudar a reabrir a Escola Pamáali, referência na educação escolar indígena no Brasil!

Mais informações:
Juliana Radler
jornalista do Programa Rio Negro do ISA
julianaradler@socioambiental.org
(97) 3471-1156 / 2193 / 2182
End.: Rua Projetada 70, Centro, São Gabriel da Cachoeira (AM)

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.