Atlas que mostra avanço da destruição na Amazônia acompanha edição de aniversário da Revista piauí

"Amazônia Sob Pressão 2020", da Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg), aponta os principais retrocessos nos nove países amazônicos
Versão para impressão



Os assinantes da revista piauí vão receber de presente com a edição especial pelo 15º aniversário da publicação, a partir desta quinta-feira (07/10), um exemplar do Atlas “Amazônia Sob Pressão 2020”, da Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada (Raisg).

Fundada em 2007, a Raisg é um consórcio de organizações de países amazônicos e se dedica a produzir conhecimento sobre a maior floresta tropical do mundo com dados estatísticos e informações geoespaciais.

No Brasil, a Raisg é composta pelo Instituto Socioambiental (ISA) e o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon).

Publicado pela primeira vez em 2012, o Atlas apresenta agora uma atualização das pressões e ameaças à floresta, trazendo 23 mapas, tabelas e gráficos.

Segundo a análise, os danos à Amazônia crescem a um ritmo acelerado e não há perspectiva de reversão. Um terço do bioma sofre com o avanço da fronteira agropecuária, do desmatamento, do garimpo ilegal, da exploração de petróleo e das obras de infra-estrutura.

A boa notícia é que as Áreas Protegidas, como Terras Indígenas e Unidades de Conservação, continuam a servir como um escudo contra a devastação da floresta. Na Amazônia brasileira, a maior parte do desmatamento (87,5%) detectado entre 2000 e 2018 aconteceu fora desses territórios.



“Essa realidade preocupante reforça a enorme relevância do papel exercido por Áreas Protegidas, que contribuem para frear a destruição do bioma e manter os ecossistemas em equilíbrio”, afirma o antropólogo Beto Ricardo, sócio-fundador do ISA e coordenador-geral da Raisg.

“Com a distribuição de ‘Amazônia Sob Pressão 2020’, a piauí se associa à Raisg no objetivo de bem informar sobre o bioma e ajudar a sociedade a pressionar governantes e tomadores de decisão na busca por um modelo de desenvolvimento para a região que sirva de passaporte para o bom futuro do Brasil e do planeta”, completa André Petry, diretor de redação da piauí.

Saiba mais sobre a Raisg aqui.

ISA

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.