Cartilha alerta sobre impactos de reabertura de estrada no Parque Nacional do Iguaçu (PR)

Quase mil organizações da sociedade civil lançaram publicação que traz dados sobre os problemas e as inconsistências do projeto que ameaça o segundo parque nacional mais visitado do País. ISA participa da iniciativa
Versão para impressão

As quase mil organizações da sociedade civil brasileira que estão mobilizadas contra a tentativa de reabrir a estrada que cortava, até 2003, o Parque Nacional do Iguaçu (PR) lançaram uma cartilha que aponta os diversos problemas que a proposta pode provocar. O ISA também assina a publicação “A estrada não é o caminho”, que, em 10 páginas, traz textos e fotos com dados econômicos, sociais e ecológicos sobre a questão (baixe aqui o arquivo).

O Parque Nacional do Iguaçu é o segundo mais visitado do País, com mais de 1,5 milhão de visitantes ou 28% do total neste tipo de unidade de conservação (UC), em 2012. Ele só perde para o Parna da Tijuca (RJ), onde está o Cristo Redentor, mais famoso cartão postal do Brasil, com 2,5 milhões de visitantes. A área é considerada Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para Educação e Cultura (Unesco) e abriga as Cataratas do Iguaçu, escolhidas recentemente uma das sete maravilhas da natureza. Por causa disso, Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, na fronteira com a Argentina, onde está localizada o acesso ao parque, é o segundo destino mais procurado por turistas estrangeiros no Brasil, perdendo apenas para o Rio de Janeiro nesse quesito. É este patrimônio que está ameaçado pela ideia de reabrir a estrada.

A proposta consta do Projeto de Lei 61/2013, de autoria do deputado Assis do Couto (PT-PR) e que tramita hoje no Senado. O agravante é que o projeto não ameaça apenas o Parna do Iguaçu. Na tramitação na Câmara, o relator Nelson Padovani (PSC-PR) introduziu uma emenda que muda a Lei 9.985/2000, do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), para criar a figura da “estrada-parque”, o que pode impactar o conjunto das UCs brasileiras.

Ambientalistas, pesquisadores e governo apontam que a construção de estradas dentro de unidades de conservação (UCs) provoca e amplia uma série de impactos negativos, como aumento da extração ilegal de madeira e de outros produtos florestais, incêndios, fragmentação de ambientes, atropelamento e caça de animais.

O ISA produziu, no final do ano passado, uma série de três reportagens sobre o assunto:

Segundo mais visitado do Brasil, até Parque Nacional do Iguaçu (PR) está ameaçado

Estrada no Parna do Iguaçu ameaça último refúgio de onças e da “Mata Atlântica do Interior” no Sul

Reabertura de estrada e hidrelétrica colocam em risco ativo turístico e patrimônio internacional

ISA
Arquivos: 
AnexoTamanho
PDF icon baixe aqui o arquivo2.81 MB

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.