Centenas de milhares de pessoas perderam a vida em desastres climáticos

Em pauta no "Entre no clima" dessa semana, as catástrofes causadas por mudanças no clima e uma entrevista com Raquel Rosemberg, do Engajamundo, que entregou o Prêmio Cara de Pau ao Brasil na COP-21!
Versão para impressão

Centenas de milhares de pessoas perderam a vida em desastres climáticos. Os desastres ambientais relacionados ao clima dão uma dimensão do que pode ser um futuro sem significativa redução do aquecimento global. E os dados não são animadores! Um levantamento do Centro para Pesquisa em Epidemiologia de Desastres do Escritório das Nações Unidas para Redução dos Riscos de Desastres mostra os impactos de catástrofes ligadas ao clima nos últimos vinte anos. No período, 90% de todos os desastres foram relacionados ao clima. Eles incluem inundações, tornados, tempestades, ondas de calor e frio extremos e devem ficar cada vez mais frequentes se a temperatura do planeta não for controlada logo. Os desastres mais comuns foram as inundações, a maior parte delas na Ásia. No entanto, as tempestades foram as mais mortais, matando cerca de 242 mil pessoas. Quase 90% das mortes em tempestades foram em países pobres, apesar de eles só terem recebido um pouco mais de um quarto delas. Nos países ricos, ondas de calor foram as maiores responsáveis pelas mortes.

A polêmica entre ricos e pobres. De novo. Na semana passada, o financiamento foi o centro da primeira crise da Conferência do Clima de Paris, a COP 21.A questão tem a ver com a criação de um fundo de investimentos dos países ricos para ajudar nas ações de mitigação e adaptação dos mais pobres. O G77, grupo das nações em desenvolvimento, divulgou uma carta em que acusava os países ricos de querer transferir a responsabilidade do financiamento para as nações emergentes, por meio de alterações no texto final do acordo. Países em desenvolvimento lembram que os ricos têm mais culpa pelo aquecimento global – por causa da industrialização que lá ocorreu muito mais cedo – e por isso devem arcar com as despesas do financiamento. Já as nações ricas dizem que o mundo mudou muito nos últimos 20 anos e que alguns dos países em desenvolvimento já teriam condições de contribuir para o financiamento. As polêmicas entre os países podem tornar ainda mais difícil a finalização de um acordo para lidar de maneira apropriada com a gravidade da questão climática.

Tatiane Klein está em Paris, acompanhando a Conferência do Clima. Ouça agora reportagem dela, direto do centro das discussões!

Prêmio Cara de Pau para o Brasil. E a segunda semana da COP-21 começou quente - pelo menos para os brasileiros! No final da tarde segunda-feira, dia 7, os jovens do Engajamundo aproveitaram o evento de assinatura do “Compromisso pelo desmatamento ilegal zero ”, na Embaixada do Brasil França, para entregar o Prêmio Cara de Pau ao governo brasileiro, que aqui em Paris é representado pela ministra Isabella Teixeira, do Ministra do Meio Ambiente.

Ouça a entrevista com a Raquel Rosemberg, do Engajamundo, e entenda por quê.

O novo acordo clima deve ser entregue nas próximas 24 horas. Por isso, continue acompanhando a cobertura do ISA e do Observatório do Clima, do qual do ISA faz parte, sobre as negociações.

Victor Pires e Tatiane Klein, direto de Paris
ISA

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.