Cheia histórica no rio Negro põe em risco segurança alimentar de comunidades

Intensidade e persistência da estação chuvosa na Amazônia refletem impactos das mudanças climáticas na região; 16,6 mil famílias amazonenses sofreram perdas agrícolas
Versão para impressão

Por Aloisio Cabalzar e Juliana Radler

O rio Negro chegou à marca de 29,98 metros em Manaus e ultrapassou nesta terça-feira (01/06) a cheia recorde de 2012, que era de 29,97 metros, de acordo com medições feitas há 119 anos. Sete das maiores cheias do Negro ocorreram nos últimos 12 anos, o que indica um agravamento dos impactos das mudanças climáticas na região. As inundações recordes destruíram roças de comunidades instaladas nas cabeceiras dos rios e prejudicaram, no total, pelo menos 16,6 mil famílias, segundo o governo do Amazonas.

Leia a reportagem completa no Medium.

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.