Desmatamento na Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, com presença de isolados, tem aumento de 140%

Localizado em Rondônia, território sofre com o avanço da grilagem. Em abril de 2020, em conflito com grileiros, o professor e líder indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau foi assassinado
Versão para impressão

Em abril, o monitoramento Sirad Isolados, do Instituto Socioambiental (ISA), identificou 315 hectares desmatados em territórios com povos indígenas isolados. A região mais ameaçada foi a Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, em Rondônia, que sofreu um aumento de 140% no desmatamento em um mês. Foram identificados 12 hectares de florestas devastadas em um território que deveria estar intacto por se tratar de uma área protegida.

Baixe o Boletim:

Versão para Celular
Versão para Computador

Em 2019, um grande número de invasores adentrou o território, ameaçando povos indígenas em situação de isolamento voluntário. Segundo denúncia dos indígenas e da organização Kanindé, mais de mil não-indígenas estavam ocupando ilegalmente o território nessa época.

As pressões dos invasores têm sido cada vez maiores. Em abril de 2020, em um conflito com grileiros, foi assassinado o professor e líder indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau, que também fazia parte de uma brigada de proteção indígena.

Um estudo do Ministério Público Federal (MPF), realizado em junho de 2020, mostrou a existência de 936 registros do Cadastro Ambiental Rural (CAR) de terceiros em sobreposição aos limites da TI Uru-Eu-Wau-Wau. A dinâmica de ocupação irregular de terras da União, associada ao desmonte das operações de fiscalização, tem contribuído de forma negativa para a escalada de invasões e desmatamentos ilegais na TI.

Vale lembrar que em diversos territórios, como o da Terra Indígena Caru, os próprios indígenas são os responsáveis por articular a defesa do território. A vigilância comunitária procura monitorar a área para frear o avanço do desmatamento.

Terra Araribóia

Segundo o monitoramento do ISA, em abril houve uma queda de 44% no desmatamento nos territórios monitorados em relação ao mês anterior. Apesar da diminuição, não há motivos para comemorar: as Terras Indígenas continuam fortemente pressionadas pelo desmatamento e pela entrada ilegal de invasores.

Na Terra Indígena Araribóia foram identificados 15 hectares desmatados. Com a diminuição do período das chuvas, os ramais abertos no limite sul da TI facilitam o acesso ilegal de traficantes de madeira. No limite norte da TI, foram identificados alertas de degradação, que foram encaminhados aos Guardiões da Floresta - grupo de proteção e monitoramento formado pelo povo Guajajara e Awá-Guajá.

O território dos últimos sobreviventes do povo Piripkura continua sob forte pressão. Apesar das denúncias de novos focos de desmatamento, feitas desde agosto de 2020, as invasões continuam crescendo. Em março deste ano, foram detectados 518 hectares derrubados, a maior abertura desde então. A velocidade do desmatamento se deve ao uso excessivo de maquinário na área.

Durante o mês de abril, foram desmatados mais 286,5 hectares, somando 2.132 hectares em apenas nove meses da desenfreada ação criminosa. A tendência de aumento no desmatamento no interior da TI, que vem sendo registrada desde agosto de 2020, é muito preocupante e demanda uma ação urgente de fiscalização dos órgãos responsáveis, aponta o boletim do ISA.

Terra Caru

A Terra Indígena Caru, um dos territórios mais pressionados de todo o estado do Maranhão, sofre com a invasão de madeireiros e traficantes. A TI não conta com segurança integral garantida pelo estado, sendo que a maior responsabilidade da proteção do território é designada aos guardiões da floresta. Por conta da pandemia de Covid-19, foi preciso adiar diversas vezes as saídas de campo de vistoria para evitar a disseminação do vírus dentro das aldeias, o que facilitou novas invasões e a ampliação de áreas já invadidas.

Em uma saída de campo entre o final de março e o começo de abril, os indígenas identificaram 16 árvores de lei tombadas, outras serradas e muitas outras já retiradas do interior da TI Caru. Ainda havia no local muitas toras para serem levadas, e os invasores já haviam aberto um ramal de escoamento para facilitar a ação criminosa.

Giovanna Costanti
ISA
Imagens: 
Arquivos: 
AnexoTamanho
PDF icon Celular13.52 MB
PDF icon Computador8.49 MB

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.