É possível fazer da lei de patrimônio genético uma ‘leimonada’?

Esta notícia está associada ao Programa: 
Governo apresentou proposta de decreto para regulamentar legislação. Representantes de comunidades indígenas e tradicionais têm novo desafio para garantir seus direitos enquanto grandes empresas pretendem flexibilizar ao máximo qualquer tentativa de controle de suas atividades
Versão para impressão

Governo apresentou proposta de decreto para regulamentar legislação. Representantes de comunidades indígenas e tradicionais têm novo desafio para garantir seus direitos enquanto grandes empresas pretendem flexibilizar ao máximo qualquer tentativa de controle de suas atividades

Nurit Bensusan, especialista em Biodiversidade e coordenadora adjunta de Política e Direito do ISA

Dizem que quando se tem em mãos um limão, metáfora para algo azedo e difícil de engolir, o melhor a fazer é transformá-lo numa limonada, uma bebida agradável e, portanto, mais fácil de engolir.

Talvez essa seja a intenção da Casa Civil, quando colocou em discussão uma minuta de decreto sobre a Lei 13.123/2015. Essa é a lei que trata do acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional (saiba mais no quadro abaixo). A lei reflete sua elaboração e tramitação: um processo desequilibrado, onde o setor privado, usuário do patrimônio genético e do conhecimento tradicional, teve grande parte de seus interesses contemplados, enquanto os detentores de conhecimentos tradicionais tiveram seus direitos desrespeitados e afrontados.

A lei remeteu um significativo conjunto de temas para a regulamentação, ou seja, para que ela fique de pé, apesar de já estar em vigor, há necessidade de um decreto que regulamente muitos de seus dispositivos. Após sucessivos adiamentos, na véspera do Natal, o governo, por meio da Casa Civil, apresentou uma minuta de decreto para discussão. A informação que circula é de que a minuta deverá entrar em consulta pública em março e assim deverá permanecer por cerca de um mês. Depois disso, o governo irá recolher as contribuições e fechar o texto final. Ainda não se sabe quando o decreto será publicado exatamente.

Em que pese os inúmeros problemas que o texto apresenta, é nítido o esforço que foi realizado no sentido de dar mais atenção aos clamores dos detentores de conhecimento tradicional – naturalmente muito insatisfeitos com a lei – e de tentar garantir alguns de seus direitos (para ajudar na análise da minuta de decreto, o ISA preparou um guia da minuta).

Os debates acerca da minuta, porém, dão conta que fazer da lei uma “leimonada”, isto é, transformá-la em algo mais palatável para os detentores de conhecimento tradicional e para aqueles preocupados em assegurar seus direitos, será uma tarefa difícil, quiçá impossível.

A Lei 13.123/2015 causou estragos que não podem ser revertidos com sua regulamentação. Por exemplo, ao separar o patrimônio genético do conhecimento tradicional, criando a possibilidade de sistemas distintos de acesso, a Lei estabeleceu uma forma de usar o patrimônio genético brasileiro, muitas vezes resultado das atividades das comunidades humanas que aqui viviam e vivem, sem nenhuma consulta, sem nenhuma autorização, de forma automática.

São limitados os avanços que a minuta traz no sentido de dar mais garantias aos povos indígenas, comunidades tradicionais e agricultores tradicionais de que seu conhecimento será acessado de forma apropriada e com a concordância deles. Ainda assim, o texto tem sido alvo de críticas do setor privado, que parece entender qualquer tentativa de verificação, fiscalização e controle por parte do governo como um obstáculo inaceitável às suas atividades.

É compreensível que as empresas queiram garantir que o novo marco legal crie um ambiente positivo para seus negócios, mas isso certamente não acontecerá sem que os direitos mais fundamentais dos detentores de conhecimento tradicional sejam garantidos. A almejada segurança jurídica, que contribuiria, segundo o setor privado, para fomentar o uso e a geração de inovação a partir de nossa biodiversidade, não virá sem o reconhecimento do papel dos povos indígenas, comunidades tradicionais e agricultores e do conhecimento tradicional nos processos que geram e mantêm a biodiversidade e consequentemente o patrimônio genético.
Limão ou limonada? Façam suas apostas...

O que são os recursos genéticos e conhecimentos tradicionais?

Os recursos genéticos da biodiversidade são encontrados em animais, vegetais ou micro-organismos, por exemplo, em óleos, resinas e tecidos, encontrados em florestas e outros ambientes naturais. Já os recursos genéticos da agrobiodiversidade estão contidos em espécies agrícolas e pastoris. Comunidades de indígenas, quilombolas, ribeirinhos e agricultores familiares, entre outros, desenvolvem e conservam, por décadas e até séculos, informações e práticas sobre o uso desses recursos. Esses são os chamados conhecimentos tradicionais.

Tanto o patrimônio genético quanto os conhecimentos tradicionais servem de base para pesquisas e produtos da indústria de remédios, sementes, gêneros alimentícios, cosméticos e produtos de higiene, entre outros. Por isso, podem valer milhões, bilhões em investimentos. O Brasil é a nação com maior biodiversidade do mundo e milhares de comunidades indígenas e tradicionais, daí ser alvo histórico de ações ilegais de biopirataria, crime que a nova lei deveria coibir e punir.

Nurit Bensusan
ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.