Índios isolados e de recente contato relatam ameaças de morte e invasão de territórios

Esta notícia está associada ao Programa: 
Casos foram compartilhados em encontro com a presença de lideranças indígenas de diversos países da América do Sul
Versão para impressão

Na Amazônia brasileira, um dos lugares do mundo com maior presença de índios isolados, há entre 70 e 100 evidências desses povos. Também conhecidos como povos em situação de isolamento voluntário, são uma referência aos grupos com os quais a Fundação Nacional do Índio (Funai) ainda não estabeleceu contato.

É na Terra Indígena Vale do Javari, no Estado do Amazonas, que vive o maior número deles – há pelo menos 16 referências reconhecidas pelo Governo Brasileiro. Esses povos, no entanto, estão em alerta: a TI encontra-se desprotegida de invasões de madeireiros, empresas petroleiras, caçadores ilegais e narcotraficantes.

Essas ameaças foram discutidas no II Encontro Internacional Olhares sobre as Políticas de Proteção aos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato, que ocorreu em Brasília, em junho. No evento, lideranças indígenas detalharam uma situação dramática no Vale do Javari e alertaram para o risco iminente de genocídio dos povos isolados.



O encontro foi promovido pelo Centro de Trabalho Indigenista (CTI) e pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) e contou com a participação de mais de 70 representantes de povos e organizações do Brasil, Colômbia, Paraguai, Peru, Venezuela, Equador e Bolívia.

No Brasil, a proteção e o monitoramento das terras indígenas onde vivem povos isolados e de recente contato é obrigação da Fundação Nacional do Índio (Funai), órgão que vem passando por uma severo corte de recursos nos últimos anos. Saiba mais aqui.

Em 2018, o orçamento da Funai foi 23% menor que o de 2017, o que impede o funcionamento das chamadas 11 Frentes de Proteção Etnoambiental. Lideranças indígenas e técnicos da própria Funai vêm denunciando uma situação de grave sucateamento do órgão na gestão do governo de Michel Temer (PMDB).

A TI Vale do Javari não é a única que está nessa situação. No encontro internacional, lideranças de povos indígenas de diversos países da América do Sul relataram situação semelhante.

Além da ameaça de grileiros, madeireiros, fazendeiros e empresas de energia, petróleo e mineração, esses povos têm encontrado pouco respaldo do Estado. Eles também têm sido desrespeitados no seu direito de isolamento, uma vez que têm sido forçados ao contato com não-indígenas.



Na Venezuela, por exemplo, o governo ainda não reconheceu formalmente a existência de povos indígenas isolados e de recente contato (como é o caso de grupos yanomami, hoti e uwottüja) e não estabeleceu marcos legais para a sua proteção territorial.

Para viabilizar projetos de desenvolvimento econômico, como o Arco Minero do Orinoco, o governo venezuelano tem aberto áreas de conservação ambiental e territórios indígenas protegidos por lei para a exploração minerária, o que coloca em risco a enorme sociobiodiversidade da região.

“O que chamam de desenvolvimento é a deteriorização de nossas vidas”, afirmou Amélia Conde, representante uwottüja da Organización de Mujeres Indígenas de Autana/OMIDA da Venezuela, presente no encontro.

Outro caso alarmante é o dos isolados Ayoreo, povo originário do norte do Gran Chaco, região que abrange áreas no Paraguai e na Bolívia. Na América do Sul, os Ayoreo são os únicos povos isolados fora da Amazônia e enfrentam a crescente devastação das matas no alto rio Paraguai, região onde estão refugiados 200 Ayoreo. Segundo relatos de Carlos Ducubide Picanerai e Mateo Sobode Chiquenoi, membros da Unión de Nativos Ayoreo do Paraguay/UNAP, a violência na região é crescente.

Empresas do agronegócio brasileiro estão por trás dessa situação. Isso porque fazendeiros brasileiros têm avançado sobre as terras paraguaias e são, em grande parte, responsáveis pelo avanço do desmatamento nos territórios ayoreo.

Crimes ambientais têm ocorrido nessas terras há pelo menos duas décadas. Segundo reportagem do observatório De Olho nos Ruralistas, a empresa brasileira Yaguareté Porá desmatou, em 2014, 1,2 mil hectares do território ayoreo com o intuito de criar pastagens para gado.

Proteção com as próprias mãos

Para enfrentar as ameaças e contando com pouca assistência do Estado, os indígenas têm se organizado para proteger seus territórios. É o caso dos Guajajara e Ka’apor do Maranhão que integram grupos denominados “Guardiões da Floresta”, que combatem a extração ilegal de madeira em suas terras. São mais de 100 guardiões que realizam, por iniciativa própria, ações de monitoramento e, muitas vezes, logram expulsar invasores, apreender os maquinários e notificar às autoridades. Além de tentar manter as únicas áreas de floresta amazônica que restam no Maranhão, os guardiões tentam proteger os Awá-Guajá, isolados que vivem nestas áreas.

Outra estratégia das organizações indígenas é pressionar os Governos para criar “corredores territoriais” ou “mosaicos de áreas protegidas”, isto é, áreas contínuas de proteção integral que garantam o uso exclusivo dos territórios por esses povos. É o caso da proposta do Corredor Territorial Pano, Arawak e outros que também abrangeria áreas protegidas no Peru e no Brasil (Acre), como as Terras Indígenas localizadas no vale do alto Juruá. Povos em situação de isolamento têm se refugiado em regiões remotas e de difícil acesso que, muitas vezes, coincidem com as zonas de fronteira.

Participaram do II Encontro Internacional Olhares sobre as Políticas de Proteção aos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato, lideranças Tapayuna, Tenharim, Uru-Eu-Wau-Wau, Jamamadi, Zo’é, Waiwai, Katxuyana, Huni Kuĩ, Manchineri, Ashaninka, Waorani, Uwottüja (Piaroa), Ayoreo, Kukama Kukamiria, Kubeo, Inga, Tenetehara, Tacana, Hixkaryana, Kahyana, Kulina-Pano, Marubo, Matis, Kanamari, Awa Guajá, Harakbut, Shipibo.

Como resultado do encontro, foi elaborado um documento que traz os principais pontos debatidos pela plenária. Dentre eles, as estratégias dos povos e organizações indígenas para a proteção dos territórios que são compartilhados com povos isolados e de recente contato. O documento reafirma a resiliência dos povos indígenas na luta pela defesa de seus direitos, especialmente, o direito à autodeterminação dos povos em isolamento. Leia aqui o documento na íntegra, nas versões em português e em espanhol.

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.