Jovens coletores monitoram área de restauro florestal e debatem comercialização de sementes

Esta notícia está associada ao Programa: 
Juventude se reúne em Canarana (MT) em mais uma etapa do curso promovido pela Rede de Sementes do Xingu tendo como pano de fundo as sementes e as mudanças climáticas
Versão para impressão




Está chegando ao fim o curso de Sementes Socioambientais, promovido pela Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) ao longo de 2016, envolvendo 14 jovens coletores da região Xingu Araguaia, em Mato Grosso. Eles formam o grupo da juventude. Mais dois módulos do curso foram realizados, entre 8 e 11 de setembro, (o terceiro e o quarto) dessa vez com foco no funcionamento comercial da associação e na restauração florestal. O pano de fundo foi a relação das mudanças climáticas com as sementes, de forma a incentivar o engajamento dos jovens coletores nesse tema. Eles receberam um kit contendo um equipamento audiovisual (celulares e câmeras fotográficas) e materiais escolares para dar suporte às atividades de pesquisa que estão realizando.

Nos dois módulos anteriores, o grupo se dedicou a entender o funcionamento da floresta e como os ciclos de reprodução das plantas estavam se modificando ao longo do tempo por conta do clima. Em seguida, preencheram calendários para registrar o ciclo de produção das sementes e identificar os sinais do tempo que caracterizam essas diferentes etapas. As informações eles levantaram com a ajuda dos mais velhos de suas comunidades. Depois, os 14 jovens que integram o grupo da juventude da Rede de Sementes do Xingu focaram no debate da produção e da qualidade das sementes e como a atividade tem sido afetada pelas mudanças do clima.



A questão comercial, tema espinhoso, foi abordada de forma lúdica, com os jovens encenando mercados de produtos de origem comunitária e industrial, como o mel, o polvilho e a polpa de frutas, trazendo questões essenciais para a roda de conversa, tais como, precificação, organização comunitária e qualidade do produto. Bruna Dayanna, diretora da ARSX, compartilhou com o grupo informações sobre a relação de compra e venda das sementes. A compreensão por parte dos jovens dessa etapa do funcionamento da associação é fundamental para fortalecer o trabalho de precificação junto aos coletores.

“Nossas sementes voltam a ser floresta”

A restauração florestal, atividade que promove elevada demanda por sementes, e tema do quarto módulo, envolveu o monitoramento de uma área restaurada em 2008, na zona urbana de Canarana. Com a utilização da muvuca de sementes e a sistematização dos dados coletados, os jovens puderam avaliar o estado da área restaurada. “Achei incrível as atividades de monitoramento que fizemos em uma área restaurada usando as sementes coletadas pelo meu povo, vimos que nossas sementes voltam a ser floresta” disse Tawaiku Yudja.



A pesquisa que o jovens estão realizando se encerra em novembro quando acontecerá a II Gincana Intercultural da Associação. No grande final, eles serão os protagonistas do evento, no qual irão compartilhar com outros 30 jovens da região Xingu Araguaia os resultados da pesquisa que desenvolveram ao longo do ano. Será com certeza um incentivo para que outros jovens da região venham a se integrar a esse trabalho.

O projeto conta com o apoio do Instituto Bacuri, da Manos Unidas, do Environmental Development Fund (EDF), da Fundação Moore, do Fundo Vale e do Fundo Amazônia.
Saiba mais sobre a Rede de Sementes do Xingu.

Raíssa Ribeiro
ISA
Edição: 
Inês Zanchetta
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.