Líder yanomami fala no final da Flip das ameaças que tem sofrido

Esta notícia está associada ao Programa: 
Uma das principais lideranças indígenas do país, Davi Kopenawa convocou o público a defender as terras indígenas e a Floresta Amazônica em depoimento emocionante no encerramento da 12ª Festa Literária Internacional de Paraty
Versão para impressão

O líder yanomami Davi Kopenawa deu um depoimento emocionante no encerramento da 12ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), no Rio de Janeiro, na tarde de domingo (3/8), quando falou das ameaças de morte que vem sofrendo e das invasões à Terra Indígena Yanomami (RR/AM). Kopenawa pediu ajuda para defender as terras indígenas e a floresta e foi bastante aplaudido.

A festa literária concedeu um espaço inédito ao tema indígena, com mesas de debate entre antropólogos, jornalistas, fotógrafos e o próprio Kopenawa, além do momento especial com a sua fala no fim do evento. Os antropólogos Beto Ricardo e Eduardo Viveiros de Castro, ambos sócios do ISA, participaram de um dos debates.

“Estou muito preocupado, junto com meu povo yanomami. Os fazendeiros e os garimpeiros têm muito dinheiro para matar um índio. Não quero repetir o que aconteceu há 40 anos passados: estou lembrando do meu amigo Chico Mendes. O meu amigo já morreu. Os fazendeiros já mataram ele, que defendia a floresta, o direito do povo dele”, disse Kopenawa.

Ele lembrou que, mesmo já reconhecida e demarcada, a TI Yanomami continua sendo invadida por garimpeiros, o que é ilegal. O líder indígena pediu à plateia da Flip e à imprensa que se manifestem em defesa dos índios brasileiros e divulguem seus problemas.

“A Floresta Amazônica nos pertence. Elas nos protege de muito calor. Ela é fundamental para todos nós, para nossos filhos viverem em paz”, finalizou.

Na semana passada, a Hutukara Associação Yanomami (HAY) divulgou carta em que denuncia ameaças sofridas por Davi, exige uma investigação e proteção oficial ao líder indígena. A suspeita é de que as ameaças sejam um represália ao trabalho realizado pelos Yanomami, em conjunto com órgãos do governo, para investigar e desmontar as redes de garimpo implantadas na TI Yanomami nos últimos anos (saiba mais).

Davi já recebeu diversos prêmios por sua defesa da floresta e dos direitos indígenas. Em 1989 recebeu o Premio Global 500 do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, em Nova York, Em 1999 foi condecorado o pelo presidente Fernando Henrique com a Ordem do Rio Branco ao grau de Cavaleiro em Brasília. Em 2009, foi homenageado pelo comitê Bartolomeu de Las Casas, em Madrid, e pelo Ministério da Cultura do Brasil com a Comenda da Ordem do Mérito Cultural ao grau de Cavaleiro. Em 2013, recebeu da Câmara Municipal de Boa Vista o título de Honra ao Mérito Rio Branco.

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.