Minidocumentário conta as histórias dos produtos da floresta na Bacia do Xingu

Esta notícia está associada ao Programa: 
São três episódios com vídeos, reportagens e galeria de fotos. O terceiro e último já está no ar. Assista!
Versão para impressão

Atualizado em 26 de junho de 2017

Ao longo do mês de junho, o ISA lançou os episódios do minidocumentário “ Xingu, histórias dos produtos da floresta”, para apresentar as diferentes cadeias de produtos da sociobiodiversidade da Amazônia, construídas por índios, extrativistas, pequenos agricultores, que vivem, trabalham e protegem as matas. Saiba mais.

Documentários, reportagens e fotos contam a história da Rede de Sementes do Xingu, do óleo de pequi produzido pelos índios Kisêdjê da Terra Indígena Wawi, no Território Indígena do Xingu (MT), da fábrica de polpas Araguaia (MT), da coleta de castanhas, extração de borracha e óleos da do Meio, no Pará e de outros produtos da floresta. Cada um deles com suas peculiaridades, mas tendo em comum o fortalecimento e a sustentabilidade desses territórios. A primeira reportagem especial tem como tema a Rede de Sementes do Xingu, que completa dez anos e contribui para recuperar áreas degradadas, gerar renda e valorizar a sociobiodiversidade da Bacia do Rio Xingu.
Confira!

A segunda reportagem especial conta como as polpas de frutas do Araguaia e produção de óleo de pequi do Povo Kĩsêdjê, no Xingu, são exemplos de valorização da sociobiodiversidade e dos saberes tradicionais da região. Assista ao vídeo.

A terceira e última reportagem conta como ribeirinhos e indígenas da Terra do Meio, mosaico de áreas protegidas entre os rios Xingu e Iriri, no Pará, reencontram a história dos seringueiros e criam uma nova economia que valoriza e protege a floresta e o modo de vida integrado à ela. Confira. Assista ao vídeo.

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.