Na Terra Yanomami o Halloween é real

Esta notícia está associada ao Programa: 
Novo filme da campanha "Fora Garimpo, Fora Covid!" mostra que doenças desconhecidas, maus espíritos, foices, armas e motosserras fazem parte da realidade imposta ao povo Yanomami pela invasão garimpeira. Assine a petição e ajude a acabar o terror.
Versão para impressão

Em 31 de outubro se comemora o Halloween, ou o Dia das Bruxas. A data é marcada todos os anos por lançamentos cinematográficos assustadores, protagonizados por fantasmas, vampiros e outros monstros que perseguem suas vítimas sem piedade. A data também enseja muitas fantasias e brincadeiras entre crianças, jovens e adultos. No entanto, enquanto o terror do cinema ou de "doces e travessuras" são puro entretenimento, o vivido pelos moradores da Terra Indígena Yanomami é real - e perpetrado por foices, armas e motosserras de verdade.

No território indígena, o avanço do garimpo ilegal devasta a floresta, polui os rios e traz doenças, transformando a vida dos Yanomami e Ye’kwana em um pesadelo do qual eles não podem despertar.

Para chamar a atenção para essa situação dramática, o Fórum de Lideranças Yanomami e Ye’kwana lança nesta sexta-feira 30/10 "Uma história de terror para os Yanomami", produzido pela agência Wieden +Kennedy São Paulo, parceira da campanha.

“Você não pode dormir. Você não pode se esconder. Não ouse entrar no rio. Não adianta fechar a estrada. Não adianta se isolar. Não adianta rezar. Eles não vão parar. Eles vão continuar. Nem que eles tenham que destruir tudo”, narra, na língua Yanomami, o líder indígena Dário Kopenawa, diretor da Hutukara Associação Yanomami e porta-voz da campanha #ForaGarimpoForaCovid.

Dário Kopenawa conta que o filme é mais um instrumento para mostrar a realidade de sofrimento, ameaça, perseguição e destruição que as comunidades estão vivendo na floresta, agravada pela pandemia da Covid-19. “O mundo inteiro já conhece esses filmes do Halloween na ficção, mas hoje os povos Yanomami e Ye’kwana vivem esse pesadelo na pele", afirma a liderança.

"Queremos mostrar para a nova geração o nosso problema, com o desmatamento, ameaças de morte, violação dos direitos dos povos indígenas, da cultura, costumes, rituais e tradições. Então, estamos pegando esse barco da festa do Halloween para mostrar o perigo que estamos vivendo para o Brasil e para o mundo” completa Dario.

Fora Garimpo, Fora Covid!

O filme pede ao espectador assinar a petição da campanha #ForaGarimpoForaCovid, cujo objetivo é a retirada dos mais de 20 mil garimpeiros da Terra Indígena Yanomami que estão também disseminando a Covid-19 entre as aldeias.

Segundo dados da Rede Pró-Yanomami e Ye’kwana, até o final de outubro, foram confirmados 1.201 casos, nove óbitos e 13 óbitos suspeitos pelo novo coronavírus. Calcula-se que mais de 10 mil indígenas estejam expostos à esta doença, ou seja, quase metade da sua população.

“O Fórum de Lideranças Yanomami e Ye’kwana tem levado a nossa voz e a nossa luta diante do que estamos vivendo com esse descaso do Governo Federal. A Mãe Terra está sofrendo, todo o território Yanomami, junto com os espíritos de muitos que já morreram, também. Esse filme é mais um alerta do nosso sofrimento real”, concluiu Dário Kopenawa.

Assine você também a petição:

www.foragarimpoforacovid.org

Evilene Paixão
ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.