Organizações indígenas denunciam crescimento de garimpo ilegal no sudoeste da Venezuela

Esta notícia está associada ao Programa: 
De acordo com nota, garimpeiros vêm do Brasil e da Colômbia e atividade está provocando contaminação e estimula outros crimes
Versão para impressão

No último domingo, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia (Coiam) venezuelana divulgaram uma nota em que denunciam o crescimento do garimpo ilegal na região de Atabapo, no sudoeste do estado venezuelano do Amazonas, na fronteira com a Colômbia e perto da fronteira com o noroeste do Amazonas, no Brasil

De acordo com o texto, a atividade dos garimpeiros têm afetado comunidades indígenas nos rios Atabapo e Ventuari e a região do Parque Nacional Yapacana. A nota ressalta que rios estão sendo contaminados e que vários garimpeiros vêm do Brasil e da Colômbia.

As 14 organizações indígenas que assinam a nota e fazem parte da Coiam lembram ainda que o garimpo traz uma série de outras atividades ilegais para a região, como a prostituição e o contrabando.

Veja aqui a íntegra da nota.

ISA
Imagens: 
Arquivos: 
AnexoTamanho
PDF icon aqui916.72 KB

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.