Pandemia de Covid-19 se agrava e chega ao Xingu

Esta notícia está associada ao Programa: 
José Carlos, liderança da Terra Indígena Arara da Volta Grande morreu hoje (9). Já são dois casos no Território Indígena do Xingu, 76 na TI Kayapó e 24 na região da Volta Grande do Xingu e Terra do Meio
Versão para impressão

José Carlos Ferreira, liderança da Terra Indígena (TI) Arara da Volta Grande, morreu hoje (9), com suspeita de Covid-19. Ele foi uma das grandes lideranças na luta contra a construção da hidrelétrica de Belo Monte. Com dificuldade para respirar e cansaço, José foi removido de sua aldeia na manhã de ontem para fazer exames e receber tratamento em Altamira, no Pará. Seu quadro piorou e ele foi para o hospital já com falta de ar, tosse forte e muita dor de cabeça, mas sem vagas disponíveis na UTI, faleceu por volta das 10 horas da manhã.

A Covid-19 chegou nas Terras Indígenas da bacia do Xingu: já foram confirmados dois casos no Território Indígena do Xingu, no Mato Grosso, três óbitos e 76 casos na TI Kayapó, no Pará. Na região da Volta Grande do Xingu e Terra do Meio foram registrados três casos na TI Trincheira Bacajá, um na TI Paquiçamba, sete na TI Juruna do Km 17, seis na TI Cachoeira Seca e cinco casos e um óbito na TI Kuruaya. Ainda que a contaminação de José Carlos tenha sido confirmada pelo Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) Altamira, o órgão não divulgou dados de casos na TI Arara da Volta Grande.

As informações do Dsei Kayapó são do dia 5/06. Até o fechamento da reportagem o distrito não divulgou dados atualizados.

Os dois casos de Covid-19 confirmados no Território do Xingu são da aldeia Sapezal, do povo Kalapalo. Os indígenas foram transferidos para o hospital de Água Boa já receberam alta. Um bebê de pouco mais de um mês está com sintomas e aguarda transferência para uma UTI neonatal.

Em nota, a Associação Terra Indígena Xingu (Atix), reforçou pedido de isolamento nas aldeias para evitar que a doença se espalhe. “Pedimos encarecidamente as comunidades Xinguanas que adotem medidas mais rígidas de isolamento para evitar a saída das pessoas para as cidades. Estamos diante de uma doença que poderá causar tragédias sem dimensão a nossa população Xinguana”, diz o texto.

Casos aumentam nos municípios vizinhos



A pandemia avança nos municípios vizinhos de Áreas Protegidas, pressionando as TIs e Unidades de Conservação do Xingu. Em apenas uma semana, o número de mortes nas 53 cidades que incidem sobre a bacia cresceu 62%, pulando de 91 para 148 óbitos. Os casos aumentaram 60%, de 3,8 mil para 6.180 no mesmo período.

Em Canarana e Querência, cidades vizinhas ao Território Indígena do Xingu, são 27 e 51 casos respectivamente. Já em Guarantã do Norte, cidade referência para a TI Panará, são 46 casos e uma morte. Em apenas uma semana, os casos em Ourilândia do Norte, município próximo à TI Kayapó, subiram de 308 para 455.

Na tarde de ontem a Secretaria Estadual de Saúde do Pará (Sespa) confirmou 3.853 óbitos e 59,1 mil casos do novo coronavírus no estado. No Mato Grosso são 126 mortes e 4,2 mil casos, segundo informativo da Secretaria Estadual de Saúde divulgado no mesmo dia.

A região de Altamira, município referência para onze Terras Indígenas, sete Unidades de Conservação e nove municípios da região, já contabiliza 80 mortes, 2.129 casos confirmados, e o único hospital que atende casos de média e alta complexidade está com as UTIs lotadas. Segundo boletim divulgado pela Sespa já são 70 pessoas internadas.

Isabel Harari
ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.