Pistoleiros atacam aldeia na Terra Indígena Capoto Jarina, território do cacique Raoni

Esta notícia está associada ao Programa: 
Disparos foram feitos contra barreira sanitária construída pelos indígenas para manter o isolamento social. Kayapó temem novos ataques
Versão para impressão

Na noite de ontem (24), dois invasores armados entraram na Terra Indígena Capoto Jarina (MT), após destruírem e dispararem ao menos 29 tiros sobre a barreira sanitária construída pelos indígenas na entrada do território. De carro, eles passaram pela aldeia Piaraçu e seguiram para o município de São José do Xingu. Ninguém ficou ferido, mas os Kayapó temem novos ataques.


As lideranças da aldeia acionaram a polícia, que foi até o local na mesma noite. Um Boletim de Ocorrência foi registrado e os suspeitos estão sendo investigados. Com medo de represálias, os indígenas vão manter distância do que restou da barreira, feita para manter o isolamento das comunidades e protegê-las da Covid-19.

Em nota, o Instituto Raoni, que representa os Kayapó, repudiou o ataque: “Em meio ao caos imposto pela pandemia da Covid-19, atentados e ameaças a integridade física dos territórios e povos indígenas são episódios frequentes em nosso país. O Instituto Raoni repudia toda e qualquer manifestação de violência, desrespeito e intolerância contra os indígenas e exige uma resposta das autoridades em relação a esse ataque”, diz o texto. [Leia na íntegra]

A Terra Indígena Capoto Jarina, morada do cacique Raoni, já contabiliza duas mortes e 114 casos de Covid-19, segundo o DSEI Kayapó do Mato Grosso. A barreira sanitária, construída em março, busca evitar a circulação de pessoas dentro do território, que é cortado pela MT-322.

ISA
Imagens: 
Arquivos: 
AnexoTamanho
PDF icon Nota Instituto Raoni31.4 KB

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.