Servidores rebatem críticas de nova presidente do Ibama de que licenciamento é lento e excessivo

Esta notícia está associada ao Programa: 
Documento divulgado por associações de servidores da área ambiental lembra que aumento de processos a serem avaliados aumentou mais do que número de servidores e que o déficit de funcionários continua. Hidrelétrica de Belo Monte é citada como exemplo de dificuldades enfrentadas pelo licenciamento ambiental
Versão para impressão

Servidores da área federal de Meio Ambiente publicaram uma carta em que contestam veementemente críticas da nova presidente do órgão, Marilene Ramos, ao processo de licenciamento ambiental. Em entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, Ramos afirmou que o licenciamento é “lento” e que teria “excessos nas análises ambientais”.

Segundo a carta, a entrevista causou “estranheza, indignação e apreensão”. Os servidores argumentam que suas análises obedecem a critérios técnicos e legais e têm apoio de movimentos sociais e organizações da sociedade civil, como o ISA. Também apresentam dados que mostram que a demanda de processos cresceu muito mais que o número de funcionários do órgão e que ele segue com déficit de mão de obra.

Leia a carta.

ISA
Imagens: 
Arquivos: 
AnexoTamanho
Ícone de PDF carta531.48 KB

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.