Sociedade civil repudia redução de Unidades de Conservação no Amazonas

Vinte e uma organizações da sociedade civil, o ISA entre elas, divulgam carta de repúdio contra proposta do governo que fragmenta a floresta, aumenta o desmatamento levando a Amazônia a um caminho de destruição sem volta
Versão para impressão

O governo pretende encaminhar ao Congresso uma proposta para extinguir a Área de Proteção Ambiental (APA) de Campos de Manicoré, e reduzir drasticamente outras quatro Unidades de Conservação: o Parque Nacional (Parna) de Acari, a Reserva Biológica (Rebio) de Manicoré, as Florestas Nacionais (Flonas) de Urupadi e Aripuanã, na região de Apuí, no sul do Amazonas (saiba mais). O ISA ao lado de 20 instituições assinou uma Nota de Repúdio contra a proposta, que exclui da proteção legal mais de um milhão de hectares, e influencia negativamente a imagem conquistada pelo Brasil após esforços bem sucedidos no combate ao desmatamento e às mudanças climáticas.

A Nota de Repúdio ressalta que, se aprovada, a proposta colocaria em risco não só a biodiversidade, as metas e compromissos assumidos, mas também o futuro hídrico e econômico do país já que a Amazônia fornece água suficiente para abastecer grande parte da população brasileira e o agronegócio. Leia a nota na íntegra.

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.