Universidade de Brasília recebe congresso internacional de povos indígenas

Pesquisadores de oito países estarão reunidos pela primeira vez no Brasil para debater os desafios dos povos originários da América Latina
Versão para impressão

Entre os dias 3 e 5 /7, a Universidade de Brasília (UnB) receberá o mais importante evento acadêmico sobre povos indígenas da América Latina. Pesquisadores de oito países estarão reunidos no 3º Congresso Internacional Povos Indígenas da América Latina (Cipial), um evento científico, multidisciplinar e dedicado a promover diálogos interculturais e uma perspectiva comparativa sobre processos (históricos e contemporâneos) relativos aos povos indígenas no continente.

O tema central do 3º CIPIAL é “Trajetórias, narrativas e epistemologias plurais, desafios comuns”. São esperados mais de 2,5 mil participantes, entre palestrantes, conferencistas e visitantes.

Esta é a primeira vez que o Cipial acontece no Brasil. A programação inclui mais de 60 simpósios temáticos e 20 atividades integradoras, como rodas de conversa, minicursos, oficinas e mostras artísticas e documentais. Também estão previstas conferências com intelectuais e ativistas indígenas de diferentes países, entre eles Ailton Krenak e Sônia Guajajara (Brasil), Ketty Marcelo López (Peru) e Oscar David Montero de La Rosa (Colômbia), além de um painel sobre expressões indígenas contemporâneas, com Eliane Potiguara (Literatura), Iván Molina Quéchua (Audiovisual), Jaider Esbell Makuxi (Artes Plásticas),

“O Cipial é um momento muito esperado pelos pesquisadores da área, porque é uma oportunidade para troca de resultados de pesquisa, experiências e também a construção de alianças para a defesa dos povos indígenas da América Latina”, explica a coordenadora do evento, Mônica Nogueira.

3º Congresso Internacional Povos Indígenas da América Latina (Cipial)
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.