Hutukara destaca defesa dos direitos indígenas em informativos e chama para mobilização de outubro

Programa: 
Versão para impressão

São quatro informativos que a Hutukara Associação Yanomami está divulgando com textos em yanomae, sanoma, ye' kuana e xamatari e com tradução para o português. O destaque é para a mobilização pelos direitos indígenas programada para o dia 1º de outubro em todo o Brasil. No texto, os Yanomami lembram da demarcação de suas terras em 1992. Em 2012, comemoraram 20 anos da homologação. A Hutukara reitera que a luta continua, e que não abrem mão dos direitos conquistados. "Por isso os povos indígenas estão atentos, estão avisando o governo que não vão aceitar perder os direitos que já conquistaram na Constituição de 1988. Nós já mandamos esse recado para a Presidente Dilma Rousseff, para ela não apoiar os fazendeiros nem os garimpeiros que querem acabar com os direitos indígenas. Ela não pode aceitar essas leis que os deputados e senadores estão escrevendo!". Leia abaixo o texto em português e no final, acesse o link para ler nas quatro línguas yanomami.


Os povos Indígenas no Brasil continuam lutando!

Há muito tempo os povos indígenas estão lutando para garantir seus direitos. O direito à terra, o direito à saúde e à educação. Durante muitos anos o governo expulsou os índios das suas terras, destruiu as florestas e os rios, e espalhou doenças que mataram os povos indígenas no Brasil. Mas nossos parentes nunca desistiram de lutar.

Primeiro, o Governo do Brasil dizia que os índios iam acabar, iam perder sua cultura e viver igual todos os brasileiros nas cidades ou em terras pequenas. Mas isso não aconteceu. Os índios lutaram e conquistaram o direito de viver como querem. Conquistaram o direito de ter suas terras protegidas, com as florestas, os rios e as caças para se alimentarem.Esse direito ficou escrito na maior lei do Brasil que é a Constituição Federal de 1988. Nesse documento está escrito como o Brasil deve funcionar, quais são os direitos e os deveres dos brasileiros. O artigo 231 da Constituição fala sobre o direito dos índios.

“São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.” Essa foi uma grande vitória dos povos indígenas. A Constituição ajudou os Yanomami a conseguir demarcar a terra em 1992.
Outros povos também conseguiram garantir a suas terras. Isso aconteceu principalmente na região da Amazônia. Mas em outros lugares do Brasil, os índios ainda sofrem porque não tem sua terra.

Os Guarani Kaiová, por exemplo, continuam morando na beira de estradas enquanto suas terras tradicionais estão ocupadas pelos brancos, sem ter lugar para plantar e caçar. Eles sofrem com a violência dos fazendeiros, mas continuam lutando para recuperar as terras dos seus ancestrais. Eles estão lutando para que os não-indígenas respeitem a Constituição Federal.

As palavras dos brancos escritas nas leis são palavras fortes mais alguns políticos deputados e senadores estão querendo alterar estas palavras que estão escritas no artigo 231 da Constituição Federal. Esses deputados e senadores são os representantes dos fazendeiros, dos garimpeiros e das mineradoras. Eles têm interesse nas terras indígenas. Eles querem tirar as riquezas das terras indígenas. Querem destruir a floresta para plantar, criar boi, tirar minérios, construir estradas, barrar os rios para construir hidroelétricas e tirar energia.

Eles estão escrevendo projetos de leis para dizer que os brancos tem o direito para trabalhar na terra dos indígenas e também para dificultar as demarcações das terras indígenas. Depois que eles escrevem as leis, eles mandam para a Presidente do Brasil. Os principais projetos que eles escreveram são:

Projeto 227: Essa lei fala que se o governo achar importante, ele poderia construir estradas, fazendas, hidroelétricas e mineradoras (fazer mineração) dentro das terras indígenas.

Projeto 237: Esse projeto fala que os fazendeiros poderão explorar até a metade das terras indígenas.

Projeto 215: Essa diz que a demarcação das terras indígenas feita pela Funai tem que ser aprovada pelos deputados e os senadores. O Congresso Nacional é contra os índios, nunca mais nenhuma TI vai ser demarcada.

Portaria 303: Diz que nenhuma terra indígena poderá ser aumentada e retira a autonomia dos povos indígenas para fazer a gestão, cuidar das suas terras.

Por isso os povos indígenas estão atentos, estão avisando o governo que não vão aceitar perder os direitos que já conquistaram na Constituição de 1988. Nós já mandamos esse recado para a Presidente Dilma Russeff, para ela não apoiar os fazendeiros nem os garimpeiros que querem acabar com os direitos indígenas. Ela não pode aceitar essas leis que os deputados e senadores estão escrevendo! Nós Yanomami temos que ficar espertos. Hoje nós temos nosso território, mas os brancos estão de olho! Nós também temos que apoiar nossos parentes que ainda não tem suas terras demarcadas!

Foi por isso que no dia 9 de agosto, representantes de todos os índios de Roraima, se reuniram nas ruas de Boa Vista para dizer para os não-indígenas que não iremos aceitar perder nossos direitos! Todos os povos indígenas do Brasil estão se organizando para fazer uma grande manifestação em Brasília no início do mês de outubro.

Leia a versão em
xamatariyanomae ye'kuana sanomae yekuana.

Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.