A tradicional produção nos Quilombos do Vale do Ribeira (SP)

Versão para impressão

As comunidades quilombolas do Vale do Ribeira (SP) cultivam uma grande variedade de sementes e espécies tradicionais. Na imagem acima, o Sr. Domingos, do Quilombo de Nhunguara, torra farinha de mandioca.

Para o plantio da mandioca e de outros cultivos, os quilombolas utilizam o tradicional método da coivara que, para quem não conhece, é um sistema de plantio itinerante em que as áreas cultivadas são submetidas ao "pousio" (descanso). Após a escolha e limpeza da área por meio do corte e derrubada da vegetação, dá-se a queima da matéria orgânica e o posterior plantio.

No Quilombo de Morro Seco, são cultivadas 13 variedades de mandioca. Elas são vendidas in natura, usadas para alimentação e para fazer a farinha comercializada regionalmente. Este ano a Associação Quilombo Morro Seco deve comercializar cerca de *quatro toneladas* de mandioca!

O Quilombo de Bombas, por exemplo, cultiva o milho palha roxa há cerca de 80 anos! Já os quilombos de Pedro Cubas, Cangume, Nhunguara, Sapatu, Pilões e Ivaporunduva, cultivam de quatro a seis variedades de feijão, além de seis variedades de arroz.

Agrobiodiversidade: gente que planta futuro

No último dia 5 de junho celebramos o Dia Internacional do Meio Ambiente. Para comemorar, o ISA preparou um mês inteiro de conteúdos especiais sobre um tema importantíssimo para o futuro do planeta e dos povos: a agrobiodiversidade. O papel dos povos indígenas e populações tradicionais na manutenção da diversidade de espécies cultivadas é a garantia, não só de seu sustento, mas do direito de todos nós a um meio ambiente equilibrado.

Acompanhe a página do ISA no Facebook, no Instagram e o nosso conteúdo especial sobre Agrobiodiversidade.

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.