Coleção “O que a gente precisa para viver e estar bem no mundo” ganha novo volume

Esta notícia está associada ao Programa: 
Autores indígenas levam os leitores a conhecer e refletir sobre as ricas histórias de origem, a diversidade e as melhores formas de manejar e relacionar-se com recursos, bens e ambientes indispensável ao bem viver de inúmeras comunidades amazônicas
Versão para impressão

Fruto do trabalho da Rede de Escolas Baniwa e Coripaco, que conta com apoio do ISA, o 2º volume da série de publicações “Kaawhiperi Yoodzawaaka” acaba de ser lançado e agrega 18 novas monografias de jovens pesquisadores e pesquisadoras indígenas que atuam no recém-criado Centro de Estudos e Divulgação da Escola Herieni (Cedeh), no Alto Rio Aiari, no Alto Rio Negro, município de São Gabriel da Cachoeira, no noroeste do Amazonas (veja fotos na galeria no final do texto).

Desta vez, os autores indígenas levam os leitores a conhecer e refletir sobre as ricas histórias de origem, a diversidade e as melhores formas de manejar e relacionar-se com recursos, bens e ambientes que são parte indispensável do bem viver de inúmeras comunidades amazônicas (leia a publicação).

O primeiro volume, lançado em 2012, foi organizado pela Escola Indígena Baniwa e Coripaco (Eibc/Pamáali) e reuniu 13 monografias, sobretudo de pesquisadores indígenas do Médio Rio Içana (leia mais). A experiência fundou a série, que pretende seguir incorporando novos temas à medida que professores, escolas e novos autores decidam agregar seus conhecimentos e experiências.

“Kaawhiperi Yoodzawaaka” expressa, em língua baniwa, a vitalidade e a interdependência que existe entre os diferentes seres, objetos, ambientes e bens dos quais depende a qualidade de vida das sociedades humanas. A série foi concebida com a ideia de acionar, de modo cumulativo, um amplo conjunto de atores e de conhecimentos para diagnosticar a situação de uso, conservação e manejo de recursos, ambientes e relações importantes para viver e estar bem no Rio Içana (e no mundo), refletindo em pactos positivos para a gestão ambiental e territorial na Terra Indígena Alto Rio Negro (AM). Outros dois volumes estão em preparação por autores do médio Rio Aiari e do Alto Rio Içana.

A Rede de Escolas Baniwa e Coripaco abrange 13 escolas, que atendem 63 comunidades e cerca de 1,4 mil alunos da calha do Içana (e dos afluentes Aiari e Cuiari), é a principal responsável por animar a produção e o uso didático do material nas comunidades baniwa (saiba mais).

“A vantagem que este tipo de projeto e estudo nos trouxe foi surpreendente em termos de aprendizagem sobre as histórias de origem de cada tema. Abriu-nos a mente para pensar que tudo aquilo que estava ao nosso redor – as plantas, os animais, os peixes, as pedras, as histórias, enfim, a natureza toda – nos influenciava diretamente... Sem deixar de lado os conhecimentos que temos sobre outros tipos de atividades e inclusive as nossas danças, tradições, os rituais, os cantos e tudo aquilo que fazia parte da nossa vida", afirmam os professores e estudantes que participam da iniciativa, na abertura da publicação.

"[A iniciativa nos mostrou] olhares ideais para os caminhos da conservação, da valorização e que para a vida continuar existindo precisamos manejar bem as coisas. Analisar todas as mudanças sociais, climáticas, ambientais, tanto por parte do professor como também do aluno... Que neste tipo de estudo, aprendemos em um único trabalho várias disciplinas: matemática, português, ciências, geografia, história, botânica, ecologia, sustentabilidade, e tudo que envolve a vida”, completam os autores.

A série vem despertando o interesse por parte de comunidades e lideranças de outras Terras Indígenas que estão organizando seus planos de gestão ambiental e territorial em atenção à recém-criada a PNGATI (Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial em Terras Indígenas (leia aqui).

Além do mais, desde que foi disponibilizada, também vem atraindo o interesse de professores, que têm ali um instrumento bastante didático para tratar da temática indígena e ambiental em escolas não indígenas.

Toda da série pode ser acessada através do sitio ISSUU do ISA, através dos seguintes links:

http://issuu.com/instituto-socioambiental/docs/manejo_pamaali_portugues
http://issuu.com/instituto-socioambiental/docs/manejo_pamaali_baniwa
http://issuu.com/instituto-socioambiental/docs/k2_portugues_web
http://issuu.com/instituto-socioambiental/docs/k2_baniwa_web

Uma pequena parte da tiragem (300 exemplares em português) também estará à venda na loja do ISA. A renda obtida será transferida às escolas Eibc e Herieni para que sigam estruturando suas ações de pesquisa nos rios Içana e Aiari.

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.