Os lugares sagrados dos povos tukano agora estão no Google Earth

Esta notícia está associada ao Programa: 
ISA e Google colocam no mapa, de maneira interativa, as histórias de alguns dos lugares sagrados para os povos da família tukano nos rios Negro e Uaupés, no noroeste da Amazônia
Versão para impressão

O Google forneceu a tecnologia e os índios tukano, as histórias. Nessa nova parceria entre o Instituto Socioambiental (ISA) e o Google Earth, é possível viajar pela região do Alto Rio Negro e conhecer a cosmologia dos povos Tukano, Desana, Piratapuia, Tuyuka, Bará e Barasana, todas da família linguística Tukano Oriental.

Acesse a versão aqui.


Partindo de Manaus Rio Negro acima, o leitor pode navegar por 11 pontos na plataforma do Google Earth. Em cada um deles, uma história do tempo da criação do Mundo para os povos tukano. O conteúdo é baseado no filme "Pelas Águas do Rio de Leite", lançado em março, em Manaus, e que será exibido em São Paulo em agosto.

O documentário, dirigido pela antropóloga Aline Scolfaro, pesquisadora do Programa Rio Negro do ISA, retrata duas expedições feitas por conhecedores indígenas dessas etnias para revisitar os lugares sagrados de seu povo e refazer a rota de origem de seus ancestrais.




Ao longo de mil quilômetros, mais de 60 lugares sagrados foram visitados e quase 300 horas de gravações foram produzidas. Desses 60 lugares sagrados, 11 foram selecionados para o documentário, e replicados na história publicada no Google Earth.

A viagem da Cobra-Canoa

Segundo os tukano, antes de tudo existir havia o Avô do Universo, sozinho na “Maloca do Céu”, em meio à escuridão. Um dia, ele resolveu fazer o Mundo, com suas águas, terras, matas, dias e ar, nuvens e ventos, e também os seres humanos.



Assim, fez surgir o Mundo e, por último, fez surgir a Gente de Transformação, que são os primeiros ancestrais dos povos tukano. No extremo Leste, onde o Sol nasce, ele fez surgir o Lago de Leite. Transformando uma grande cobra em uma canoa, mandou que todos embarcassem nela para iniciar uma longa viagem rumo ao centro da Terra.



A cobra-canoa, então, iniciou sua jornada pelo Rio de Leite, onde hoje ficam os rios Negro, Uaupés e seus afluentes. A canoa foi parando pelo caminho e, a cada parada, os ancestrais tukano adquiriam poderes e conhecimentos que até hoje fazem parte da herança cultural das etnias dessa família linguística.

Sobre o ISA

O Instituto Socioambiental (ISA) é uma das principais organizações ambientalistas e indigenistas do Brasil. Com 24 anos de existência, o ISA atua regional e nacionalmente para defender povos indígenas, comunidades tradicionais, direitos humanos e o patrimônio cultural, valorizando a diversidade socioambiental do Brasil. www.socioambiental.org

Sobre os povos da família tukano

Os índios que vivem às margens do Rio Uaupés e seus afluentes – Tiquié, Papuri, Querari e outros menores – integram atualmente 17 etnias, muitas das quais vivem também na Colômbia. Esses grupos indígenas falam línguas da família Tukano Oriental (apenas os Tariana têm origem Aruak) e participam de uma ampla rede de trocas, que incluem casamentos, rituais e comércio, compondo um conjunto sócio-cultural definido, comumente chamado de “sistema social do Uaupés/Pira-Paraná”.

As etnias que estão na região do Rio Uaupés são Arapaso, Bará, Barasana, Desana, Karapanã, Kubeo, Makuna, Mirity-tapuya, Pira-tapuya, Siriano, Tariana, Tukano, Tuyuka, Kotiria, Tatuyo, Taiwano, Yuruti (as três últimas habitam só na Colômbia). Estão no noroeste da Amazônia, às margens do Rio Uaupés e seus afluentes

ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.