Produtos da floresta são apresentados no Mercado de Pinheiros em novas receitas

Esta notícia está associada ao Programa: 
Combinações de sabores marcaram evento Presentes da Floresta – Descubra suas Origens realizado no sábado, 25/11; cestas de Natal continuam à venda no Box Amazônia e Mata Atlântica do mercado
Versão para impressão




A combinação dos sabores de produtos de comunidades indígenas, extrativistas e quilombolas trouxe no último sábado (25/11) ao Mercado de Pinheiros, em São Paulo, uma nova experiência para a gastronomia brasileira, que aproximou pela primeira vez as regiões do Vale do Ribeira (SP), Xingu (MT e PA) e Rio Negro (AM) em um menu especial para degustação.

A rapadura produzida pelas comunidades quilombolas do Vale do Ribeira deu um toque especial ao bolo com farinha de babaçu produzida pelos extrativistas da Terra do Meio (PA), assim como a farinha de mandioca quilombola foi a base para uma lajotinha de castanha do Pará. A banana chips, também quilombola, recebeu uma redução de tucupi preto Yanomami e o Mel dos Índios do Xingu foi combinado ao pão com castanhas e à Pimenta Baniwa.



O menu, preparado pela chef Barbara Andrade (confira as receitas abaixo), fez parte do evento “Presentes da Floresta – Descubra suas Origens”, realizado pelo Instituto Socioambiental (ISA) e o Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora), em parceria com o Instituto ATÁ.



Além de levar para casa produtos do Xingu, do Rio Negro e do Vale do Ribeira, o público assistiu ao filme em realidade virtual Fogo na Floresta, a uma apresentação da dança tradicional quilombola Nhá Maruca e conheceu o selo Origens Brasil®. Os participantes do evento também puderam montar suas cestas de Natal - com diversos tipos de cestaria artesanal feitas por povos indígenas, como os Baniwa e os Yanomami - com os produtos à venda no box da Amazônia e Mata Atlântica do mercado. As cestas continuam disponíveis para os interessados.

A iniciativa, elaborada pelo Imaflora em parceria com o ISA, promove a valorização dos produtos da floresta e suas populações, atuando como elo e promovendo relações comerciais éticas e transparentes entre produtores, consumidores e empresas.

"Um dos desafios que tínhamos era ter uma estratégia de valorizar os produtos da floresta e as comunidades tradicionais. Foi em cima desse desafio que criamos o Selo Origens Brasil", frisou Patricia Cota Gomes, coordenadora de projetos do Imaflora. "Queremos usar a tecnologia para conectar as pessoas com mercados mais éticos e justos."

Através de um código digital (QR Code) nas embalagens, os visitantes têm acesso à origem e às histórias dos respectivos produtos, passando pela sua extração, pelas populações e pelo território em que cada um deles está inserido.


"Isso é somente um começo de conversa", afirmou Beto Ricardo, fundador do ISA e do Instituto ATÁ. "O número de produtos que temos à venda no box é cerca de 200, e temos mais de 250 povos indígenas e milhares de comunidades tradicionais. O que estamos vendo aqui hoje é apenas uma pequena amostra da nossa sociobiodiversidade."

"Cada um de nós, com uma atitude cidadã de comprar e comer, ajudamos o coletivo", afirmou Alex Atala, fundador do Instituto ATÁ. "Vamos comer como cidadãos", frisou.

O evento “Presentes da Floresta – Descubra suas Origens” teve o apoio do Fundo Amazônia e da União Europeia.

Receitas com produtos da floresta

CANAPÉS COM REDUÇÃO DE TUCUPI PRETO E CHIPS DE BANANA
- 1 Queijo coalho
- 1 Banana firme
- 1 colher de Manteiga
- Chips de banana a gosto

Redução
- 100ml de tucupi preto
- 40ml de água
- 50g de açúcar
- 10g de gengibre ralado
- 1 pitada de sal

Modo de preparo:
Corte a banana e o queijo coalho em cubos. Em uma frigideira, aqueça a manteiga e frite a banana até dourar. Após, retire a banana, doure o queijo na mesma frigideira e reserve.
Para a redução, adicione todos os ingredientes em uma panela e mexa em fogo baixo até engrossar.
Disponha a banana e o coalho sobre os chips de banana e regue com a redução.

CANAPÉ DE PÃO WICKBOLD COM MEL NATIVO, PIMENTA BANIWA E CASTANHA DO BRASIL DEFUMADA

- 1 saco de pão de castanha do Brasil com quinoa (Wickbold)
- 200g de queijo meia cura
- 200g de cream cheese
- 200g de mel nativo
- 250g de castanha do Brasil
- 50ml de óleo de castanha do Brasil
- 1 colher de páprica defumada
- Pimenta Baniwa a gosto*

Em uma assadeira, coloque toda a castanha do Brasil, o óleo de castanha, a páprica defumada e uma pitada de sal. Misture bem e asse no forno, em temperatura média, por 20 minutos.
Pique o queijo meia cura. Bata o queijo juntamente com o cream cheese e a pimenta num mixer ou liquidificador até virar uma pasta homogênia.
Retire a casca do pão e achate-o com um rolo de massa para que fique bem fino.
Passe a pasta de queijo no pão e enrole-o. Após, corte-o em rolinhos.
Disponha os canapés em uma bandeja, regue-os com mel e salpique as castanhas por cima.
É possível assar os canapés e servi-los quente, se desejar.

* A Pimenta Baniwa é altamente picante, adicione-a aos poucos.

BOLO DE BABAÇU COM RAPADURA CREMOSA

100g de farinha de babaçu
100g de farinha de trigo
5 ovos
125g de óleo de babaçu
300ml de leite morno
300g de açúcar
2 colheres fermento em pó

Recheio
500g de rapadura
1L de leite
25g de amido de milho
25g de farinha de trigo
4 gemas de ovo

Modo de preparo:
Massa: Bata as claras na batedeira. Quando começar a formar claras em neve, acrescente açúcar e bata até as claras ficarem mais firme. Em velocidade baixa, adicione as gemas apenas para misturar.
Incorpore com cuidado as farinhas e o leite. Na sequência, adicione o fermento e misture.
Em uma forma untada, coloque a massa e asse em forno pré-aquecido, por 40 minutos.
Recheio: Corte a rapadura, coloque-a em uma panela funda e derreta-a em fogo baixo. Adicione o leite e misture bem.

Com um batedor, bata o açúcar e as gemas até obter um creme claro, firme e cremoso. Por fim, adicione a farinha e o amido de milho.
Assim que o leite ferver, adicione metade na mistura de açúcar, ovos, farinha e amido. Com um batedor, deixa a mistura bem homogênea. Agora, este primeiro creme obtido vai voltar para a panela com a outra metade de leite. Continue mexendo até engrossar.


Lajotinha de castanha do Brasil

Base
100g de farinha de mandioca
80g de farinha de trigo
80g de açúcar mascavo
80g de coco ralado
125g de manteiga em temperatura ambiente
Recheio
100g de castanha do Brasil
40ml de óleo de castanha do Brasil
1 lata de leite condensado
30g de chocolate branco
Cobertura
50g de chocolate amargo
10ml de óleo de castanha do Brasil

Modo de preparo.
Base: Misture todos os ingredientes até virar uma massa. Coloque em uma forma untada e pressione deixando uma superfície lisa. Asse em temperatura média, num forno pré-aquecido, por 20 minutos ou até dourar.
Recheio: Pique a castanha em pedaços pequenos. Coloque todos os ingredientes em uma panela e mexa, em fogo baixo, até desgrudar da panela.
Coloque sobre a base e asse por 15 minutos.
Cobertura: Derreta o chocolate com o óleo e espalhe sobre o doce.
Coloque na geladeira e deixe refrigerar por, pelo menos, 3 horas antes de servir.

Hamburguer e emulsão de cogumelos


Emulsão
200g de creme de leite
2 colheres de azeite
8g de cogumelo Yanomani em pó
3g de goma xantana
5g de cebola em pó
Sal e pimenta em pó a gosto

Hambúrguer
30g de cogumelo Yanomani em pó
3 colheres de azeite
100g de cebola cortada em cubinhos
1 dente de alho espremido
50g de shitake
100g de batata Asterix assada, descascada e amassada
200g de farinha de mandioca
30g de fécula de batata
5g de cebolinha picada

Modo de preparo
Emulsão: Bata todos os ingredientes no liquidificador até virar uma emulsão firme.
Hambúrguer: Hidrate o cogumelo em 200ml de água gelada e deixe repousar por 2 horas na geladeira.
Aqueça o azeite e refogue a cebola até dourar. Adicione o alho e o shitake e refogue.
Adicione o cogumelo com a água e deixe reduzir um pouco em fogo médio.
Misture primeiro a farinha de mandioca para que ela absorva o líquido. Depois adicione o restante dos ingredientes.

Espere esfriar, molde os hambúrgueres e grelhe em uma frigideira com azeite.



Roberto Almeida
ISA
Imagens: 

Comentários

O Instituto Socioambiental (ISA) estimula o debate e a troca de ideias. Os comentários aqui publicados são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião desta instituição. Mensagens consideradas ofensivas serão retiradas.